domingo, 9 de novembro de 2014

IMPRESSÃO

Chanceler Angela Merkel caminha ao lado de pedaço do antigo Muro de Berlim, em cerimônia que celebra neste domingo (9) da queda da barreira5 anos (Foto: Hannibal Hanschke/Reuters)













Não sei se estou certo, mas a impressão que tive com a queda do Muro de Berlim foi que provocou uma rachadura na visão maniqueísta sobre o mundo.  Hoje, a direita e a esquerda parecem ser duas faces da mesma moeda. Com a derrubada do Muro o inimigo se pulverizou, não está mais longe e sim perto. A gente nem consegue identifica-lo. Tudo ficou de pernas para o ar e ainda se procura quem são os bonzinhos e os bandidos... É difícil de entender que, na verdade, o bem e o mal estão dentro da gente e o inimigo não está fora, mas oculto em algum lugar do inconsciente. Por isso, que muitos preferem o caminho mais fácil, polarizando as situações e não percebem que ao longo da História há um labirinto de espelhos, que os diferentes reflexos podem convergir em um só elemento.