domingo, 24 de janeiro de 2016

ENTRE ABELHAS( 2015)


Imagem relacionada



 Realmente, foi uma bela surpresa de assistir ao filme. Uma história original e que leva a várias interpretações sobre o mundo contemporâneo em que vivemos: A questão da solidão, apesar de se viver em aglomerações de gente, o problema de cada vez mais o individualismo crescer na nossa sociedade, causando falta de empatia em relação ao outro e, inclusive, a falta de maturidade em relação às perdas e derrotas que acumulamos ao longo do caminho.

Além desta diversidade de olhares e pontos de vista que o filme proporciona. O enredo é muito consistente e não se deixa levar pelo caminho mais fácil como a fórmula de finais felizes. Ao término da história se percebe não podemos encarar o fim de um ciclo como um ponto final, mas sim um começo.

Gosto de ver filmes brasileiros que sensibilizam a gente com boas histórias, mostra que temos uma diversidade de artistas que não querem repetir as antigas fórmulas e temas para só agradar o público ou os estrangeiros ou certa elite intelectual.

****
Posso estar viajando na maionese, mas acho legar fazer uma comparação com o filme Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual. Os dois abordam certos temas em comum. 

sábado, 23 de janeiro de 2016

O JOGO DA AMARELINHA DE JULIO CORTÁZAR



Finalmente terminei de lê-lo, mas, e aí? Por isso, tento pontuar alguns aspectos que senti ao longo da leitura. Não quero fazer uma resenha, seria muita pretensão minha, podem procurar na Internet, há um vasto material crítico.

Agora, por que não posso comentar sobre o livro? Falar das minhas impressões? Não posso comentar simplesmente sem pretensão acadêmica ou intelectual? Direi o que penso no meu espaço virtual. “Cada um no seu quadrado”, não me meto no espaço de ninguém e ninguém se mete no meu. Entrei num labirinto de ideias que tentei acompanhar e me percebi como sou ignorante. No início do livro, Cortázar mostra que a história é várias, sobretudo duas e o leitor pode escolher uma das possibilidades. Diferente de uma literatura convencional que mostra tudo ao leitor.

“ TABULEIRO DE DIREÇÃO O primeiro livro deixa-se ler na forma corrente e termina no capítulo 56, ao término do qual aparecem três vistosas estrelinhas que equivalem à palavra FIM. Assim, o leitor prescindirá sem remorsos do que virá depois. O segundo livro deixa-se ler começando no capítulo 73 e continua, depois, de acordo com a ordem indicada no final de cada capítulo. Em caso de confusão ou esquecimento, será suficiente consultar a seguinte lista...”

O que compreendi foi que o autor quis fazer uma ruptura com a literatura clássica. Não quis construir uma narrativa linear e com verossimilhança, visto que a realidade em que vivemos não é tão certinha e lógica como nos romances tradicionais. Pelo contrário, este mundo é absurdo, caótico e surreal. Os personagens não são heróis e nem vilões, mas pessoas perdidas que vivem por aí sem rumo à procura de algo que não sabem definir. O protagonista Oliveira apesar de ser um cara culto sempre se remete ao jogo da amarelinha, pois através do lúdico para encontrar o céu e encontrar Maga:

“Assim, tinham começado a andar por uma Paris fabulosa, deixando-se levar pelos signos da noite, adotando itinerários sugeridos por uma frase de clochard, por uma água-furtada iluminada no fundo de uma rua escura, detendo-se nas pracinhas muito íntimas para se beijarem nos bancos, ou para olharem o jogo da amarelinha, os rituais infantis da pedrinha e o salto sobre um pé para entrar no céu.”

 Além do tabuleiro de leitura, o livro se divide em duas partes Do lado de lá e De outros lados, expondo com a realidade é surreal e não cartesiana. O jogo da Amarelinha colocou-me no meu devido lugar. É um tipo de livro que desconstrói a ideia das GRANDES VERDADES ABSOLUTAS.

***


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

SEM LIMITES(2011)



Principalmente, hoje em dia, queremos tudo rápido: Felicidade, amor, sucesso... E o caminho mais fácil é bastante sedutor! Na história, o personagem era um escritor fracassado e quando tomou as pílulas de uma droga desconhecida, mudou radicalmente de vida e se transformou em especialista de diversos assuntos. Desistiu de ser escritor para ser consultor da bolsa de valores, com a intenção ser muito rico.


Depois de assistir ao filme, fiquei pensando sobre realmente existir uma droga que me ajudaria a ativar todas as conexões do meu cérebro. Será que iria me trazer realmente felicidade? Com certeza, não. Não acredito em soluções fáceis, pelo contrário, precisam-se todos os dias encarar as próprias limitações. Reconstruir-se ao longo dos anos para se adaptar na jornada da vida.

 Sou uma pessoa comum e não tenho nenhum talento especial. Quando morrer, o mundo nem perceberá, pois, minha existência entra tantas é um grão de areia no deserto. Mas, aprendi a gostar de mim. Não quero ser outro, mas, do jeito que sou. O que escreve, percebe que errou e conserta; brincar de ser artista nas horas vagas. Inclusive, estou aprendendo a ouvir e a peneirar o que é uma crítica construtiva de uma destrutiva.

Como já disse, várias vezes( devo estar enchendo o saco de repetir toda hora isso), Não tenho perfil para ser líder, nem chefe e aquele tipo de pessoa que consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo. Sou lento, porém, não resignado e tento lidar com esta minha característica o melhor possível.

Deve ser um saco saber de tudo. É tão prazeroso aprender algo novo, a vida tem outra cor e não se cai na mesmice.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A PALAVRA E SEUS SIGNIFICADOS



Hoje, através de um diálogo, percebi que tinha uma visão restrita sobre o termo oportunismo. Considerava ser mau-caratismo. Mas dando uma olhada em dois dicionários, percebi que estava errado.

“sm (oportuno+ismo) 1 Polít Tendência a sacrificar os princípios, para transigir com as circunstâncias e acomodar-se a elas. 2 Habilidade em procurar ocasiões oportunas para bons lances, em certos jogos esportivos.” (Michaelis)

 “1 Sistema de transigir com as circunstâncias, de agir conforme elas. 2 Tendência ou aptidão para aproveitar as oportunidades ou as circunstâncias, normalmente sem preocupações éticas.”(Aurélio)

Como não sabia o que era transigir, fui ao dicionário de novo: 

 “zi) (lat transigere) vti e vint 1 Ceder, concordar, condescender: Transigir com alguém. “Transigir, não transige. Recuar, não recua” (Rui Barbosa). Vtd 2Dir Compor por transação; conciliar: Transigir uma demanda. Vti e vint 3Compor-se, contemporizar, ser a favor depois de ter sido contra ou vice-versa:Não transige com a impostura. Nisso (ou sobre isso) não transigiremos. Por muito tempo combateu a ideia, mas acabou transigindo.” (Michaelis)

 “1 Conciliar. 2 Fazer transação com alguém a respeito de litígios. 3 Compor-se em demanda. 4 Condescender; contemporizar. 5 Aquiescer; deixar a opinião própria para conformar-se com a alheia.”( Aurélio)

Também, não sabia o que era Aquiescer: “1 Consentir por condescendência. 2 Aderir.” ( Aurélio)

Portanto, a palavra possui vários significados e se precisa perceber o contexto em que ela foi aplicada. Rotulá-la pode causar mal-entendidos.