domingo, 29 de novembro de 2015

DEZ ANOS DE TUDO CULTURAL

Poxa vida! Fazer parte da história do blog me deixa satisfeito. Recordo-me que conheci Gustavo ( o editor do blog) no portal do Comunica-se. Depois, fizemos juntos uma oficina literária na tijuca. Convidou-me para participar de seu espaço virtual, quando ainda estava no portal.


 Um tempo depois, Gustavo o transferiu para o blogspot. Também, “blogo” há dez anos. Desde as primeiras postagens até as atuais, pode-se perceber que brinquei e ensaiei diferentes formas de expressões. Escrevi contos, crônicas e até estou a produzir vídeos. Amadureci ao longo dos anos, entretanto, refiro-me como pessoa, já que como escritor a travessia ainda é muito longa. Desejo que este espaço continue muitos anos de vida, continuando a mostrar diferentes olhares sobre o mundo com poesias, resenhas, crônicas, contos e vídeos. 



A produção própria de conteúdo propicia ainda mais o desenvolvimento da Democracia e ajuda a construir um mundo melhor. Lógico que os blogs e sites de grandes corporações de mídia possuem mais visibilidade, mas não se pode desistir por causa deste fato.

FOME DE PRIMEIRAS VEZES


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Continuo tendo esperança!

Posso estar errado ou ser ingênuo, mas o fato de um senador da república ser preso, pela primeira vez na História do Brasil, não deixa de ser um avanço à democracia brasileira. Significa que as instituições estão cada vez mais autônomas. Este senhor político foi flagrado ao atrapalhar as investigações da lava jato e alguma atitude deveria ser feita. O STF pediu sua prisão não por causa de ideologia política, mas sim pelo crime cometido. 

Ao invés de dizer que tudo está perdido, creio que o país está no caminho certo, inclusive a transparência cada vez maior para expor o mal de nosso país que vem dos tempos de quando era colônia: A CORRUPÇÃO. 

 Concordo com as palavras de Cármen Lúcia : "Houve um momento em que nós os brasileiros acreditamos no mote segundo o qual a esperança tinha vencido o medo. Depois, nos deparamos com a ação penal 470 (mensalão) e descobrimos que o cinismo tinha vencido a esperança. Agora, parece-se constatar que o escárnio venceu o cinismo. O crime não vencerá a Justiça"

 Nosso país está amadurecendo e se tornará melhor com toda a certeza e nossa consciência vencerá o “ escárnio”. Que venha a verdade e derrube os falsos heróis e profetas! O país somente mudará quando todos nós brasileiros mudarmos de atitude profundamente.

domingo, 22 de novembro de 2015

Só uma reflexão

hitória massacre 1961 Paris Argélia



Como já disse antes, não quero justificar violência e nem dizer verdades absolutas. Mas, recordo-me que quando assisti ao filme francês Caché de 2006 sobre História do massacre de argelinos que aconteceu na França há cinquenta anos. "Cerca de 100 a 200 argelinos que se manifestavam pacificamente em Paris foram assassinados pelas forças policiais. Ocultado durante muito tempo pelo poder, este massacre integra progressivamente a memória coletiva."

 Posso estar equivocado, não sou especialista no assunto, mas, será que a forma que os países europeus encaram os imigrantes, provoca uma revolta ao logo dos anos e por isso os terroristas estão conseguindo tantos adeptos? Bem gente, é só uma reflexão. Por favor, aceito argumentos contrários e plausíveis, pois creio que as redes sociais servem como um meio frutífero para debates de ideia.

MAIS LÚCIDO QUE NUNCA


domingo, 15 de novembro de 2015

SÓ QUERO ENTENDER...




Não quero comparar qual a pior dor. Isto é irrelevante, tragédias são tragédias e ponto final. Mas, o que questiono porque um fato é mais valorizado do que o outro. Por exemplo, vocês sabiam que os ciganos foram massacrados pelo nazismo? Alguém conhece um filme famoso que fala sobre este tema? Pode até existir um material, mas não é tão divulgado. Por quê? Será que existe uma hierarquia de valores que influência nossa empatia? Por que somos tão solidários com os franceses e com nossas tragédias particulares colocamos de lado? Como já disse, não quero julgar os sentimentos de ninguém. Só quero entender o porquê de certos acontecimentos são mais valorizados em relação aos outros, tendo o mesmo valor de tragédia.

sábado, 14 de novembro de 2015

Quem nunca?

Imagem encontrada no  google


Arrependeu-se do que fez? Quem nunca achou que fez uma coisa maravilhosa e o tempo prova que foi o contrário? Questiono porque fiz um conto que na época achei um máximo, mas, agora, percebo que escrevi uma história cheia de estereótipos e preconceituosa. Construí a imagem do outro completamente vazia e caricata. Deu-me vontade de deletar, porém, não farei isto. O conto mostra como fui um dia e como estou numa constante mudança. Sabe, já escrevi tanta merda nesta vida... Ainda bem que tenho consciência deste fato. Este conto, republiquei várias vezes me achando o máximo. Hoje, ao relê-lo percebi que cai na mesmice. Patético! Sou patético, logo existo! Não é mesmo? Seguirei acumulando salvo rasuras e em tempos, tentando consertar e superar minhas cagadinhas que deixo pelo caminho.


*****
FLERTE
Ela me olhava pela janela. Estava malhando, podia sentir sua respiração ofegante sob o véu. Escancarei a janela, queria que visse o meu corpo musculoso. Quando nos encontrávamos no metrô, ela não dizia nada, mas, o corpo falava tudo. Tentava se esconder ainda mais naquele véu colorido. Será que ela sabe a dança do ventre? Perguntava-me sempre. Via algumas aulas na academia, ficava com tesão de ver as mulheres remexerem as barrigas definidas e com piercing nos umbigos. Será que ela queria dançar para mim. Sempre ouvi que os olhos são o espelho da alma. Podia ver seus olhos em chamas sob o véu colorido.
Ficamos alguns meses assim. Abria a janela e ela se escondia na escuridão do seu apartamento. Porém, um dia, a campainha tocou. Fui atender sem camisa, estava suado. Tive uma surpresa. Era ela toda coberta com um vestido que parecia uma manta espessa. Fez um gesto para eu me sentar. Começou a se despir, mas continuou com o véu. Atrás de tantos panos, havia a típica roupa das dançarinas da dança do ventre. Pegou na bolsa um cd e colocou no som. Eu não sabia se estava maluco ou se era realidade. Ela transbordava sensualidade, ao fazer movimentos desta dança milenar. Senti-me um califa.
Quando terminou, veio à minha direção. Sentou no meu colo. Percebi que estava segurando um pequeno frasco. Sem dizer uma palavra, me fez beber um líquido doce. A partir daí, não me lembro mais de nada.
Acordei no sofá. Estava coberto com o edredom e numa das mãos estava com o véu colorido. Fiquei atordoado. O que teria acontecido? Liguei a TV, como sempre fazia de manhã. Há primeira coisa que vi, um vagão todo retorcido e em chamas. Quando a repórter disse a localidade do atentado, senti um calafrio. Sempre passava por ali, para trabalhar e encontrava a mulher misteriosa do véu multicolorido. Minha mente estava confusa. Comecei a fazer conexões, quando a repórter disse que os sobreviventes e testemunhas viram, minutos antes, uma jovem coberta por véus entrar no vagão do metrô, segundos depois, aconteceu há explosão. Não podia ser! Dias depois, a suspeitas se concretizaram. Era ela. Maldita!! Por que fez isso? Poderíamos ter nos conhecido melhor. Mas, era uma mulher-bomba e foi até o fim na sua missão.
Matou milhares de pessoas inocentes, mas, salvou-me. Senti ao mesmo tempo culpa e felicidade por estar vivo.



POR QUE SEMPRE BRIGAMOS MUITO COM AS PESSOAS QUE MAIS AMAMOS?



É que a gente sempre quer moldá-las de acordo com os nossos pensamentos e valores. Desejamos colonizá-las com a desculpa de ajudá-las.

 Somos prepotentes com os que amamos, pois achamos que nos pertencem e, por isso, devem rezar a nossa mesma cartilha. Temos a pretensão de achar que vamos salvar a pessoa amada de todas as adversidades da vida. Queremos dar conselhos longos. Amar também é dialético, já que não são somente as pessoas envolvidas, mas, pontos de vistas sonhos românticos e idealistas. 

 Quando somos indiferentes em relação a alguém, não discutimos, pois, não a enxergamos. Agora, as pessoas que amamos, vivemos as turras para torná-las a nossa imagem e semelhança. Acreditamos que assim, não sofrerão e vamos protegê-las de todo o mal do mundo.

Diversidade cultural já!

Antes de qualquer coisa, concordo que o terrorismo precisa ser combatido, mas, não adianta usar só a força como forma de retaliação. Não precisa ser especialista para perceber que esta ideia " olho por olho e dente por dente" acirra ainda mais os conflitos. A questão é por que o Estado Islâmico consegue tantos seguidores? Será que as políticas internacionais dos países desenvolvidos estão contribuindo para o Estado Islâmico ter mais soldados fanáticos? Esses jovens recrutados não querem fama e nem dinheiro e sim heróis de seu povo, contra os opressores. Encaram isto como a verdade absoluta. Logo, necessita se encontrar outros caminhos que busquem respeitar a diversidade cultural com o intuito de não haver mais recrutamento. 

 Vejo um futuro sombrio pela frente, a forma de se fazer guerra mudou completamente, agora, são ataques que podem acontecer em qualquer lugar e a gente não pode prever.

 Os países desenvolvidos precisam largar o etnocentrismo e rever seus conceitos. Inclusive, o acordo de paz na Palestina precisa ser feito e palestinos e judeus viverem em harmonia, respeitando os espaços um do outro. Combater com violência o terrorismo e atingir inocentes “do outro lado”, a consequência será de surgir mais terroristas. 

 Enfim, um ciclo vicioso de ação e reação que não tem fim.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

TRISTE

Imagem encontrada no google


Foto tirada pelo celular

Arrancaram uma árvore perto do meu trabalho. Fiquei chocado como ainda não há um planejamento sustentável nas cidades. Retirar as árvores porque danificam os fios ou por outros motivos mostram que o Homem ainda tem a ideia de dominar o ambiente. 

 Entretanto, a gente sempre se ferra com este pensamento tacanho, exemplos deste fato é o aquecimento global que está mudando o clima, as "famosas" tempestades de verão que deixam milhares de desabrigadas e entre outras catástrofes noticiadas ao longo dos anos. Além do mais, arrancando as árvores da rua não haverá mais sombras para se refrescar e a sensação térmica aumentará de intensidade. 

 Precisamos entender ( coisa difícil!) que estamos conectados com a maior rede social do nosso planeta, o meio ambiente. Se desmatarmos ou dizimarmos uma espécie, provocaremos nossa própria desgraça. 

 Estou triste por matarem a árvore e como o país ainda está defasado com a questão do meio ambiente.

domingo, 8 de novembro de 2015

Volver de Almodóvar e Violette




















Neste final de semana assisti a dois filmes que abordaram questão sobre a feminilidade e de como as mulheres sofrem com o machismo, ainda muito forte hoje em dia.

 A primeira história conta a vida de mulheres que lutam para sobrevier em um mundo latino e machista. Enquanto os homens vão embora a busca de bebedeiras e prazeres, as mulheres ficam com os filhos trabalhando como nunca para sustentar sua prole. Inclusive, o filme mostra como certas mulheres sofrem com a dependência sentimental e como elas se tornam submissas aos maridos. Entretanto, as personagens se livram desta dependência e continuam a travessia da vida, sozinhas. 

Já na segunda, a película nos canta a história de Violette uma mulher atormenta e desprezada por todas e que encontra através da escrita um jeito de expressar suas angústias e obsessões. Encontra a filósofa Simone de Beauvoir e, logo, surge entre as duas uma amizade que dura toda a vida, ao passo que Simone encoraja Violette a escrever mais, expondo as suas dúvidas e medos, abordando todos os detalhes da intimidade feminina. O filme é inspirado em fatos reais. Violette na vida real sofreu muitos preconceitos por ser fora dos padrões. 

 Pois é, ainda vivemos num mundo de muitos preconceitos, que educam homens a serem verdadeiros carrascos das mulheres. Enfim, quem sabe um dia esta mentalidade arcaica e vigente mude...

terça-feira, 3 de novembro de 2015

À procura de um paraíso


Acabei de assistir À procura de um paraíso ( Título original PARADISE lançado em 2013) e o bacana que o filme é uma comédia que faz uma reflexão sobre a fé. Uma jovem( cria da igreja) faz tudo certinho, achando que terá uma vida abençoada, mas, um acidente de avião estraga seus planos e desfigura seu corpo. Ela fica revoltada e praguejando que não acredita mais em Deus. Decide ir a Las Vegas para cair no pecado. A mensagem do filme não é a descrença e sim a busca do autoconhecimento da jovem e descobri outro olhar sobre a fé. Antes de acidente, a jovem acreditava que sendo a mais devota na igreja teria uma vida maravilhosa.

Lembrei-me de muitas pessoas que acham que se ter fé conseguirá bem materiais ou riqueza. Entretanto, a vida é inesperada e não tem como planejar como as coisas vão acontecer. Tudo que acontece com a gente é a soma para construção da nossa identidade. A alegria e o sofrimento são tão quanto importantes.   

Na verdade, a verdadeira fé está na perseverança de fazer a travessia e não pensar nos ganhos mediáticos. Foi esta a revelação da protagonista e voltar às pazes com Deus, porém, tecer uma comunhão mais profunda com ELE e sem as máscaras dos falsos profetas e fiéis superficiais.



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Antes de qualquer coisa...

É um absurdo esse casos de invadirem as páginas de artistas e famosos negros para postarem comentários racistas, como fizeram com Taís Araújo e Maju apresentadora do tempo do jornal nacional. Entretanto, não se pode indignar só porque são pessoas queridas do público e sim fazer uma reflexão de como vivemos em um mundo racista. Quantos negros anônimos morrem todos os dias sendo culpados ou não nas periferias e favelas.

 Ainda ouço piadinhas preconceituosas e muitos acham isto supernormal. Principalmente, com mulheres negras e acima do peso. Sei lá, acho um pouco de hipocrisia de certas pessoas que acham um absurdo os ataques racistas com famosos e no cotidiano não deixam de ter uma atitude preconceituosa. Não quero generalizar! Mas, este clima de palavras bonitas e feitas quando estes casos acontecem, tenho a impressão de superficialidade. O lance é buscar uma Educação mais humanista que toque nas feridas abertas de nossa sociedade e busque uma solução para existir mais igualdade. Ninguém aguenta mais, esta ideia de “jogar a poeira por debaixo do tapete.”.

 O Brasil ainda é um país muito arcaico, pode haver bolhas de modernidade, mas, o pensamento arcaico continua forte no inconsciente e consciente coletivo.

domingo, 1 de novembro de 2015

Sejam felizes!


LABIRINTO DE ESPELHOS



“O homem absurdo é aquele que nunca muda.Georges Clemenceau

A origem das guerras está na hegemonia. Os grupos sociais e éticos querem se sobrepor aos outros e, mesmo com as tragédias, continuam a praticar repetidamente as tragédias. Logo, na verdade, as guerras são reflexos de uma só. No cinema, existe uma reflexão sobre esta repetição.

Ontem assiste O Meninodo Pijama Listrado( que foi baseado em um livro com o mesmo título), em que narra a história de amizade de um menino alemão com outro garoto judeu e prisioneiro no campo de concentração.  Lembrei-me de outro filme que me marcou bastante Violação de Domicílio... Numa área tomada pelo exército israelense, um casal entra em conflito sobre o futuro de sua família. A esposa deseja se mudar, enquanto o marido defende a permanência. Em meio a discussões amargas, o local é invadido e eles são mantidos como reféns pelos soldados israelenses.

Nestes dois filmes mostram como a história possui interpretações sobre o mesmo tema. Quem é o vilão? O mocinho? Ou se todos nós somos vítimas da nossa própria ganância de hegemonia e quem sofre mais são os mais frágeis: crianças e idosos.

Apesar de tanta perda continuamos com a guerra.  Sendo vilões ora vítimas ora mocinhos ora bandidos dependendo do ponto de vista. Repetimos as mesmas coisas como estivéssemos em um labirinto de espelhos.