sábado, 28 de março de 2015

“TERRORISTAS DE CAUSA PRÓPRIA”


Este caso do copiloto alemão me faz pensar na existência de um terrorista que não é ligado a uma religião ou a questões políticas, vive em seu próprio mundo e decide deliberadamente colocar seus planos psicóticos em prática. Pode ser um caso isolado, mas, já assisti vários casos, inclusive no Brasil na escola de Realengo, a frequência que estes episódios ocorrem ao longo dos anos. Logo, não acho que é uma ocorrência tão isolada assim e não só os psiquiatras devem estudar este comportamento. As autoridades mundiais e cientistas sociais precisam analisar os motivos que levam indivíduos a praticarem atos bárbaros por motivos aparentemente subjetivos e herméticos.

Outra questão, este tipo de "terrorismo" é muito mais imprevisível do que o ligado às facções religiosas e políticas que são bem ou mal mapeadas. Mas, estes terroristas de “causas particulares” são muito mais complicados, pois como se pode monitorá-los se são muitas vezes cidadãos pacatos e de conduta “exemplar”? Portanto, vem a discussão da liberdade e da segurança, não se pode ser livre se não existir segurança, por outro lado, para ter segurança precisa-se se abdicar um pouco da liberdade. Este ponto é bem complexo hoje em dia, porque se optar exageradamente por mais segurança, não se tem privacidade e se viverá em uma ditadura, entretanto, deve-se refletir sobre a segurança de como é também importante, sem ela como se pode usufruir dos direitos básicos do indivíduo como, por exemplo, de ir e vir a qualquer lugar?

 Enfim, estou preocupado com o rumo do mundo e de que o ano que vem terá Olimpíada aqui no Rio de Janeiro e a pergunta que não quer sair da minha cabeça... Será que estamos preparados para este tipo de coisa? Senhor proteja-nos POR FAVOR.

quinta-feira, 26 de março de 2015

CEM POR CENTO



       

Sempre temos a ilusão da segurança cem por cento, então, inventamos muralhas, cercas elétricas e senhas... Mas, a grande questão hoje em dia é que o inimigo não está só do lado de fora e sim dentro de nosso "lar". Como se proteger se o inimigo pode ser qualquer um? E o pior que quando a ideias de segurança são questionadas, a paranoia se espalha como vírus, surgindo novas tecnologias de segurança que são vendidas como a salvação para todos nós. Logo, a gente se arma e se tranca, achando que ficará tudo tranquilo, porém o inimigo surge " de repente" e faz estrago. Aí, percebe-se que a segurança cem por cento é ilusão e que o imprevisível acontece. Inclusive, ao se preocupar tanto com os outros, esquece-se de que o perigo pode muito bem morar ao lado ou até dentro de nossa própria casa.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Regrinhas básicas de convivência


- Quando a calçada estiver estreita, andem em fila. Sei que querem conversar ou namorar, mas, com o aumento da população é necessário que atravesse cada um por vez na calçada, nesta situação, para fluir mais o passagem dos transeuntes.
- Quando os transportes públicos param nos pontos ou nas estações, deixa os passageiros que estão dentro do veículo sair primeiro e depois os que almejam entrar. Assim, não terá confusão.
- Não joguem lixo na rua e nem deixem nos bancos dos transportes públicos. Guardem na bolsa o lixo particular ou espere o melhor momento para jogar no lixo. Com certeza, a cidade ficará mais limpa.
- Não depredem os bens públicos, porque fará falta posterirormente.
- Motoqueiros.... Não usem as passarelas que são exclusivas aos pedestres. E nem subam nas calçadas( o mesmo digo aos motoristas.)
- Ciclistas, quando usarem a passarela, desçam da bicicleta e a conduza andando como os pedestres.
- Aos motoristas de carro... Pensem que estão usando uma arma em potencial e que pode destruir vidas, por isso, necessita-se dirigir prudentemente.
- Para todos os motoristas e motoqueiros, NÃO fiquem buzinando muito, provoca desestabilização nos outros.
- Aos passageiros de transporte público ou aguardando atendimento em qualquer lugar... USEM fones de ouvido.
- Agora, para quem quer ter um animal de estimação... Se desejam só ter coisinhas fofas, comprem ursinhos de pelúcia. Porque quem pega para criar um animal é responsável por ele.
- Por favor, em supermercados que se reservam caixas para compras de até quinze volumes, não vão tirar a vez de quem está só com duas coisas para comprar. Têm pessoas que são sem noção, vão para estas caixas com um monte de coisas, invadindo o espaço dos que estão com pouca compra. 
- Não desperdiçar água, ela NÃO é infinita.
- Não derrube árvores, já que em tempos de calor fazem falta.
- O mínimo de educação básica como bom dia, da licença, obrigado e de nada ajuda nos relacionamentos do cotidiano.
- NÃO FURE FILA. ESPERE SUA VEZ.
***

Pequenas atitudes como estas, podem melhorar bastante a qualidade de vida e até ser revolucionárias.

domingo, 15 de março de 2015

A MAÇA NO ESCURO DE CLARICE LISPECTOR




“Sim, minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.” Clarice Lispector

Confesso que os livros de Clarice, inclusive, este me fazem pensar sobre as várias realidades que existem e de como a humanidade é só um olhar interpretado da realidade, a qual não deixa ser imensurável. Anos atrás, li A PAIXÃO SEGUNDO G. H.( Clarice Lispector) que discutia a dialética da vida humanizada X o vivo. A personagem se transporta ao mundo vivo que antecede ao humanizado, quando viu a massa branca da barata morta.

Em A MAÇA NO ESCURO narra-se a jornada interior de Martim, que foge da cidade porque acredita que matou a mulher e se entranha no interior do Brasil. Nesta viagem, ele se despe de sua humanidade e adentra na escuridão de seu lado mais primitivo, conectando-se com a natureza em si das coisas. Ele estende a maçã no escuro e a reconhece nos dedos desajeitados pelo amor de que a fruta é uma maçã. Martim não pedia mais o nome das coisas, só lhe bastava reconhecê-la no breu. O livro é divido em três capítulos: “Como se faz um homem”, “Nascimento de um herói” e “A maçã no escuro”.

Martim se descontrói como homem para compreender o que se passava no seu interior e no mundo ao seu redor e, quando encontrou a fazenda de Vitória, despertou sentimentos adormecidos nas duas mulheres que moravam no sítio. A “ tonta” Ermelinda e a dona do lugar, Vitória. As duas através de Martim fazem suas respectivas jornadas nas suas existências e o aparente sossego que viviam, desmanchou-se no ar.

Enfim, A MAÇA NO ESCURO estimula sensações, não quis pensar muito em compreender. Quis entrar no escuro, também, e sentir a história. Acho que Clarice desejaria isto, mostrar através de outras formas como os personagens são famintos por procurarem seus lugares no mundo e até entrar em conto com o divino, como os outros animais fazem, pois não ficam no pensamento, são o  que são desde os primórdios.


LINK

Depois de assistir no netflix ao filme argentino " O SEGREDO DE SEUS OLHOS", um puta filme por sinal, li que foi segundo filme que ganhou a estatueta do Oscar, fiquei curioso qual foi o primeiro filme argentino que ganhou o Oscar e tive uma grata surpresa com o filme "A História Oficial" que narra a vida de uma professora de História conservadora completamente alheia à situação da Argentina, que vivia uma violenta ditadura militar e acusada de sumir pessoas, inclusiva, bebês dos considerados subversivo.
Alicia começa a se dar conta dos acontecimentos recentes quando reencontra Ana, uma velha amiga que acaba de voltar do exílio.  Apreensiva por respostas, ela decide buscar pistas sobre a misteriosa origem de sua filha. Ela sai de sua zona de conforto para ir atrás da verdade, principalmente, sobre a origem da filha adotiva. Apesar de o marido tentar convencê-la de não pensar e deixar de " bobagens", ela vai em frente, mesmo que seu castelo de areia se desmanche.


sábado, 14 de março de 2015

MEU FACE É MEU

Já comentei sobrei isso, mas ainda percebo que muitas pessoas do face fazem isso. É o seguinte, quando alguém posta sua opinião, tudo bem que ela a torna pública. Mas, sua página em qualquer rede social é como se fosse sua casa e é muito deselegante alguém comentar criticamente o que o dono do perfil disse. Logico, se não está prejudicando outras pessoas como promovendo discursos preconceituosos e de ódio contra um determinado grupo. 

Fórum de discussão é um canal muito mais eficaz para debates de ideias, lá se pode discordar e debater sobre tudo. Agora, se você tem suas ideias coloque na página do seu facebook, não precisa invadir o face dos outros, promovendo barracos. Uma vez li em um lugar que se deve discutir sobre política e perder amizades, até concordo um pouco com isso, mas, o que não aguento a sensação de me sentir vigiado e, qualquer coisa que eu diga, ser rotulado como defensor de certo partido que nem sou filiado. 

Agora, tenho o direito de manifestar minha opinião no meu face e quem não gostar não leia ou me delete e pronto. Não precisa querer debater comigo e invadir minha página. Desejam ir à passeata, lindo!! Lutem pelo que acreditam e que milhões de pessoas façam uma manifestação pacífica. Só não me atormentem. 

Outra coisa, já fui deletado por várias pessoas e as respeito muito, pois saíram da minha vida sem me desrespeitar. Muito obrigado! Democracia é isso, também. Não é só provocações, deboches e agressividade. Cada um publica o que deseja NA SUA LINHA DO TEMPO e quem não concorda, simplesmente me apague na sua lista de amigos.

terça-feira, 10 de março de 2015

SER HOMEM É...




BEBER ATÉ TER COMA ALCOÓLICO.
***
SER PROMÍSCUO, PASSANDO DOENÇA E ESPALHANDO FILHOS POR AÍ.
***
BRIGAR SEM MOTIVO NUM JOGO DE FUTEBOL E ATÉ MATAR ALGUÉM POR PURA BABAQUICE.
***
MIJAR NA RUA PARA MARCAR TERRITÓRIO E DEIXAR A CIDADE FEDIDA DE URINA.
***
FORÇAR A BARRA COM AS "NOVINHAS".
***
METER A PORRADA NA COMPANHEIRA DE VEZ EM QUANDO, PARA MOSTRAR QUEM MANDA.
***
METER A PORRADA NOS VIADOS E PODE ATÉ COMER O RABO DE UM, MAS, NUNCA SER PASSIVO.
***
DE PREFERÊNCIA MORRER CEDO E COM MUITA VIOLÊNCIA, DEIXANDO ESPOSA E FILHOS PEQUENOS NA NECESSIDADE.
***
SINCERAMENTE, SE SER HOMEM É ISTO, PREFIRO NÃO SÊ-LO.


domingo, 8 de março de 2015

Historinhas




De repente, vejo a danadinha a descansar no parapeito do basculante. Já tirei uma foto dela, mas como a vidraça é translúcida, não dá para vê-la nitidamente, só seu contorno. Ela fica ali o tempo todo. Quando acabo de anotar, vejo-a ainda basculante. Sinto pena e percebo como sou tolo, ao inventar uma história triste para ela e me sentir alguém especial por ser benevolente com ela. Ela é o que é e está mais próxima do divino do que eu, que fico inventando "historinhas".

domingo, 1 de março de 2015

PSICOSE




Desde menino sempre ouvi sobre o filme. Vi várias releituras em novelas e os adultos sempre me contaram a história. Logo, mesmo nunca ter assistido ao filme, ele entrou no meu imaginário e a cena da jovem mulher oura esfaqueada povoou minha imaginação. Agora, assisti-o pelo Netflix e percebi como ele é atual, pois aborda sobre a psique humana.
A cena de abertura, quando mostra uma panorâmica da cidade e em seguida dá um close numa janela mostrando dois amantes, lembrou-me os quadros de Edward Hopper, inclusive, quando assisti janela Indiscreta, percebi a mesma coisa. A obra de Hopper demonstra a solidão urbana e a incomunicabilidade entre as pessoas, tornando-as de  certa forma sozinhas. Aí, descobri que Hitchcock projetou a misteriosa casa dos Bates, depois de ver a pintura de Hopper, finalizada em 1925. Inclusive, considerou o personagem de Anthony Perkins, Normam Bates, como uma pintura viva de Hopper( uma figura isolada).
A atualidade do filme está na questão de como o ser humano pode ser frágil e cair na própria armadilha que ele próprio produz e que o indivíduo pode ser fragmentado até no nível patológico, como no caso da psicose. Na época que o filme foi feito a loucura não era muito discutida, se hoje em dia ainda é tabu, imagina na época em que a película foi rodada.
Sei que não estou dizendo nenhuma novidade, mas, é um tipo de filme que me fez pensar se eu me conheço realmente ou estou interpretando um papel superficial e que é preciso escarafunchar os porões e os sótãos que existem no meu interior para saber o que sou capaz ou não de fazer.


CAPITÃO AMÉRICA II

Capitão América 2 - O Soldado Invernal

 Não sou muito fã do gênero, mas achei interessante o filme recente do Capitão América, pois, de certa maneira, discutiu como a segurança da informação e como todos nós ficamos divididos entre a liberdade e a segurança. Um assunto complicado, já que um depende do outro, não é mesmo.
Percebi que o tema da segurança de informação foi abordada em 007 operação skyfall e que apesar do inimigo ser estereotipado como nos outros filmes, o último vilão vem da própria organização de espiões da Inglaterra. Logo, os dois filmes mostram que o inimigo não está mais demarcado como antes, pelo contrário, pode estar em qualquer lugar e no emaranhado virtual que é a Internet.
Logo, começo a pensar sobre a liberdade e a segurança. Será que vale a pena abrir a mão um pouco da minha liberdade para ter mais segurança ou se deixa-la, eu me tornarei fantoche do Sistema. Até quando se precisa de um controle maior da internet? Será que só se basear no bom senso das pessoas a sociedade ficará segura? Se o hacker for do bem, bacana. Ele irá divulgar conhecimento, porém, se não for?

Logo, surgi-me a ideia da segurança da informação, que pode até ser uma forma de monopólio do conhecimento, mas por outro lado pode ser uma proteção para os cidadãos.