domingo, 31 de maio de 2015

Quanto mais cUrtidas, logo...



Mais um mico celebre feito por mim!!! Ao invés de escrever cUrtidas, coloquei cOrtidas em um título de um vídeo que produzi!!!

sábado, 30 de maio de 2015

Construção da Imagem

Hércules


Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1



Por esses dias, assisti dois filmes que me fizeram pensar sobre a construção da imagem e como as palavras e os meios de comunicação são fundamentais para formação de um herói: Hércules( 2014) e Jogos Vorazes A Esperança-Parte1

Em Hercules, o protagonista era forte, mas tinha companheiros que o ajudavam e um escriba que ajudava a construir o mito de Hércules. Já no segundo filme, mostra como o marketing e a propaganda transforma a personagem principal em um produto para o povo oprimido consumir com a finalidade de fazer a revolução contra o Governo autoritário e ditatorial. Torna-se a salvadora-guerreira-heroína. Se observarmos a História veremos vários exemplos desse contexto que os dois filmes abordam, principalmente, quando se diluem no imaginário dos indivíduos, tonando-se míticos. 

Não estou querendo dizer que tudo é falso. Nos dois filmes os respectivos protagonistas são valorosos, entretanto, através da fabulação suas imagens são alteradas e se tornam símbolos para ser digeridos pelas pessoas.

domingo, 17 de maio de 2015

Lembranças boas e ruins



Ontem assisti ao filme DOADOR DE MEMÓRIAS e o achei interessante por ter menos cenas de ações,  closes de caras e bocas românticas, presando mais a história e a interpretação dos atores. Uma pequena comunidade vive em um mundo "aparentemente" ideal, porém sem sentimentos.

Uma pessoa é escolhida a armazenar estas memórias, para proteger os demais habitantes do sofrimento e também guiá-los com sua sabedoria. Esta incumbência muda de mãos com o passar do tempo e agora cabe ao jovem Jonas, que necessita passar por um árduo treinamento para passar nos testes.

O filme faz uma reflexão que as lembranças tanto às boas e às más fazem parte da gente. Inclusive, os sentimentos como o amor é importante para uma sociedade. Lógico, que na vida tem um lado ruim e um lado bom das coisas, mas racionalizar para viver em uma perfeição é errado, pois, transforma as pessoas em autômatos e massa de manobra para um regime despótico.  Recordei-me do filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças em que o protagonista que esquecer a ex-namorada e pede ajudar a um doutor que apaga a memória. Entretanto, não dá muito certo...

Bem, eu quero tanto minhas lembranças boas e ruins, pois formam o que sou. Outro fato, a dor é importante ao aprendizado, não se pode esquecer isto. Vivemos em uma sociedade que só quer realizar desejos fugazes e descartáveis e fugimos da dor.  Por isso, caminhos fáceis como remédios e outras drogas são disseminadas para alienar as pessoas.

terça-feira, 12 de maio de 2015

La mala verdad

Imagem encontrada no google


O que acontece nos recantos de uma casa? O que se passa no cotidiano de uma família? E quando a violência vem de dentro do lar e não de fora? Mas, o que fazer quando não é evidente, pelo contrário, oculta entre silêncios e uma aparente tranquilidade? 

Comecei a questionar essas coisas, quando acabei de assistir ao filme. A história conta a vida de uma menina que mora com a mãe e o pai. Aparentemente, ela leva uma normal, porém, ao longo do filme e com o auxílio de uma psicóloga infantil da escola, o segredo que a garota guarda vai se revelando, principalmente, através dos desenhos que desenha na terapia. O filme ganha ponto pela sutileza de mostrar como o medo e a maldade não são tão explícitos, mas sim em pequenos gestos como um olhar, uma respiração ou um desenho infantil. Deve-se decifrar as entrelinhas.

Enfim, é um tipo de filme que nos ajuda a pensar como a gente vive em um baile de mascaras e que ninguém sabe o que acontece nos recantos mais escuros de uma casa.


sábado, 9 de maio de 2015

Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual



Um belo filme que mostra a solidão urbana e o caos de uma metrópole, onde há mais desencontros que encontros. As cenas que mostram a caótica explosão imobiliária, prédios antigos estrangulados por construções mais novas e que parecem caixas de fósforo. Os emaranhados de fios que cobrem o céu da cidade e as vegetações que nascem em paredes carcomidas pelo tempo. Tudo é tão registrado de um jeito tão sublime no filme, que me surpreendi com a delicadeza. Assisti-o no netflix por acaso e resolve vê-lo.

O filme é leve, tem humor e lirismo. O roteiro foi muito bem desenvolvido, ao abordar como as relações amorosas são influenciadas no mundo virtual da internet e as novas tecnologias. Inclusive, discute como apesar da conectividade cada vez maios através da Internet, bate-papos virtuais, redes sociais e telefones celulares, a solidão e a incomunicabilidade continua. Apesar desse fato, a história não é tão pessimista.

Expões que se podem fazer filmes poéticos e sem violência, mas também reflexivos sobre o mundo onde vivemos. Acho que os cineastas brasileiros precisam assisti-lo...

***

Curiosidade... Lembrei-me que ouvi falar sobre ele,  através de uma amigo virtual...




segunda-feira, 4 de maio de 2015

Palavras



Para você que se a acha conhecedor da natureza humana, só digo uma coisa: Não sabe de nada, inocente!

É muita pretensão de uma pessoa pensar conhecer o outro. Quem pensa assim, é imaturo. A gente passa a vida inteira sem conhecer a si mesmo.

Existem pessoas que adoram resolver a vida dos outros, mas esquecem da própria vida.

Têm pessoas que adoram resolver a vida dos outros, mas esquecem da própria vida.

Quando a pessoa quer mostrar muita felicidade para os outros é porque a vida está uma merda.

Um dia quero apreciar o silêncio como se estivesse ouvindo uma sinfonia.

Só um aviso, o estereótipo não me representa.

A vida é feita de escolhas, não se pode experimentar toda sua imensidão, do contrário, será esmagado. Precisam-se recortar caminhos.

O problema não está em errar ou ter dúvida, mas permanecer na " verdade absoluta" da ignorância.

Sinto que tem um mundo oculto dentro de mim.

Muitas vezes, a gente não se comunica e sim se esbarra, provocando a incomunicabilidade.


Serei esquecido, mas não é por isso que sou banal. Sou um instante que faz parte do mistério da vida.