quinta-feira, 31 de março de 2011

NOME PRÓPRIO


Muitas vezes, tratamos os outros como posse. Já escrevi sobre isso.
Lá no cartório, onde trabalho, vejo os pais colocarem nomes esdrúxulos nos filhos e quando são questionados, dizem: “ É meu filho e tenho direito de colocar o nome que quiser.”

Logo, muitas pessoas têm dificuldades pela vida a fora, porque como o nome é complicado, a probabilidade de erro nos documentos é enorme. E além de passar por constrangimentos na escola e na vida adulta também.

Quanto menos grau de instrução a mãe e o pai possuem, percebe-se que a invenção de nomes é evidente. A gente lá do cartório tenta orientar, mas muitos são irredutíveis e a justiça na maioria das vezes fica a favor dos pais, alegando que vivemos num país livre e que os pais podem colocar qualquer nome nos filhos, desde que não rime e se assemelhe com palavras de baixo calão. Artigo 56:" Parágrafo único. Os oficiais do registro civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores. Quando os pais não se conformarem com a recusa do oficial, este submeterá por escrito o caso, independente da cobrança de quaisquer emolumentos, à decisão do Juiz competente." http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6015original.htm

Entretanto, ninguém pensa no bebê, que crescerá e terá que prestar bastante atenção para que seu nome não saia errado num documento, ou correndo contra o tempo para retificar depois. Outro caso, é que alguns pais colocam nomes extensos que dificultam até a alfabetização das crianças.

Acho que se deveria ter uma discussão profunda sobre o tema, sem preconceitos de classes sociais e econômicas. Precisa-se buscar o entendimento que os filhos não propriedades privadas dos pais, pelo contrário, os pais são curadores deles.

quarta-feira, 30 de março de 2011

ANTROPOLOGIA DE BOTEQUIM; DEPOIS DE DEZ COPOS DE REFRIGERANTE LIGHT

Desde pequeno sempre reparei que no banheiro masculino, na maioria das vezes, há vários desenhos de pênis, ânus e pênis penetrando no ânus. Nunca entendi o porquê de essas figuras povoarem repetidamente nos banheiros de escolas, faculdades, shoppings, rodoviárias...

Por que não desenhar vaginas? Minha irmã F. me disse que desenhá-las são difíceis. Realmente o órgão sexual da mulher é complicado; os grandes lábios e suas curvas. Diferente da simplicidade do pau e do ânus. Não creio que seja só isso. A uma relação de poder, que se insere nesse costume: O Grande Macho submete os outros com seu enorme membro, penetrando no ânus dos fracos. O pênis significa poder, o ânus submissão.

Também, a compulsão de alguns homens de desenhar um monte de caralhos, tem haver com autoafirmação da masculinidade. Agora, quais são os significados da vagina? Durante muito tempo, os homens a consideravam como esfinge, que poderia devorar a masculinidade viril. Formou-se uma relação de desejo e medo. No meu ponto de vista, até hoje grande parte dos homens não compreendem os enigmas do sexo feminino. Por isso, adoram desenhar pênis, ânus e pênis penetrando o ânus.

Crônica escrita em 02/05/2006

sábado, 26 de março de 2011

Por que somos tão ambíguos?




Por que desvirtuamos o mundo tão perfeito das leis e das palavras? Por que estragamos tudo? São perguntas que ainda não sei respondê-las, mas tenho a certeza que existe o caos dentro da gente e que tem um poder de destruição imensurável. Confesso que não quero saber o quanto posso ser destrutivo e rezo para que esse dia nunca chegue.

A corrupção é abordada por muitos especialistas como sendo consequência das Instituições da sociedade, que são altamente permissivas e frágeis aos interesses dos poderosos. Concordo que o meio externo influência as atitudes das pessoas, porém, não se pode negar que o ser humano tem uma tendência de burlar as normas. Somos corruptores e corruptíveis por natureza.

Entretanto, a reflexão nos leva a pensar possibilidades de não nos entregar aos jogos de interesses e buscar a ética, a fim de construirmos um mundo mais justo.

domingo, 20 de março de 2011

ESSÊNCIA






ESSÊNCIA
Mesmo que a letra da música Self Control fale sobre os pensamentos e delírios de uma jovem, acho que qualquer um pode se identificar. Quem nunca se viu perder o controle? A essência da letra não está no gênero, mas na alma humana.


QUIMERA
visita meus sonhos. Não sei sua origem e desfecho. Está entre duas reticências.


Self Control - Laura Branigan: http://www.youtube.com/watch?v=5IyAGpooGko


AUTO CONTROLE
Oh, a noite é meu mundo
Cidade da luz, garota pintada
No dia nada importa
É na noite, tempo que voa
Na noite, sem controle
Através do muro alguma coisa está quebrando
Vestindo branco como você caminha
Descendo a rua da minha alma




Você tira o meu, você tira o meu auto controle
Você me pega vivendo somente para a noite
Antes de a manhã chegar, a história é contada
Você tira o meu, você tira o meu auto controle




Outra noite, outro dia se vai
Eu nunca paro de me perguntar porquê
Você me ajuda a esquecer a desempenhar meu papel
Você tira o meu, você tira o meu auto controle




Eu, eu vivo entre as criaturas da noite
Eu não tive vontade de tentar e lutar
Contra um novo amanhã, então eu acho que devo somente acreditar
Que o amanhã nunca virá




Uma noite segura, eu estou a viver na floresta de um sonho
Eu sei que a noite não é o que parece ser
Eu devo acreditar em alguma coisa, então vou me fazer acreditar
Que a noite nunca irá




Oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh
Oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh




Oh, a noite é meu mundo
Cidade da luz, garota pintada
No dia nada importa
É na noite tempo que voa




Eu, eu vivo entre as criaturas da noite
Eu não tive vontade de tentar e lutar
Contra um novo amanhã, então eu acho que devo somente acreditar
Que o amanhã nunca se sabe




Uma noite segura, eu estou a viver na floresta de um sonho
Eu sei que a noite não é o que parece ser
Eu devo acreditar em alguma coisa, então vou me fazer acreditar
Que a noite nunca irá




Oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh, oh-oh-oh
Você tira o meu, você tira o meu auto controle
Você tira o meu, você tira o meu auto controle
Você tira o meu, você tira o meu auto controle




http://letras.terra.com.br/laura-branigan/5707/traducao.html





sábado, 19 de março de 2011



REESCREVENDO UMA CRÔNICA
Caro leitor, deve-se perguntar o motivo de não revisar antes o texto para depois o publicar. Também, faço a mesma pergunta. Quando escrevo a emoção toma conta de mim e quando me acalmo ( dias depois) percebo as palavras truncadas e os erros. Mas, nunca é tarde para reescrever e tentar superar as falhas. O blog é um ensaio e meu espaço, onde posso exercitar à vontade.
Eu não sei a ordem do discurso, sou péssimo crítico, articulista e cronista. Só escrevo o que sinto ou que me dá na telha. Sou caótico e vomito palavras na tela branca do computador.

Sempre fujo do tema proposto, sigo outra vereda e sem querer fico à margem de tudo. Disciplina não está no meu vocabulário.

Quero inventar assuntos nunca antes discutidos, desejo inventar minhas regras. Isso pode parecer lunático, mas não estou nem aí. Quando escrevo solto minha fantasia e nela posso ser o que quiser.

Como uma pessoa disse uma vez e escrevi várias vezes isso aqui no blog,  eu repito muito os temas do meu texto. “Você se concentra muito em si, por que não conta outra coisa diferente”?”. É que acho tudo tão chato, todos os textos que leio as pessoas falam a mesma coisa. Então, fujo da mesmice.

Através dos meus textos quero me tornar gigante ou um pássaro e encontrar outras realidades. Transforma-me em essência, sem corpo. Plagiando descaradamente Clarice Lispector, eu desejo ser uma água viva, viver instantes, sentimentos e o caos da vida. Quero viver o que está “atrás do pensamento”.

Com certeza, terá algumas pessoas que comentaram minha crônica da seguinte forma: “ Citando Clarice Lispector, que cara sem criatividade, principalmente esta( “atrás do pensamento”.). Todavia, como uma amiga disse: “ Você se preocupa muito com que as pessoas dizem. “. Realmente, a partir de agora me abstrairei.

Dana-se a história oficial e a memória histórica. Prefiro o particular, a memória íntima e o microcosmo que já é imenso. Chega! Não quero mais escrever. Estou leve.

Ps: Crônica ainda não está pronta. Quem sabe um dia...


TECNOLOGIA E INTIMIDADE
Por esses dias estava pensando sobre este tema. Atualmente vivemos uma proliferação de surgimentos de novas tecnologias que integram os diferentes cantos do planeta.

Portanto, este fato influência o nosso comportamento em relação ao tempo. Antigamente, quando as máquinas de escrever eram pesadas e eram exclusivamente para os departamentos de empresas ou jornais, os horários para o lazer e o trabalho eram mais delimitados.

Com o passar do tempo, as máquinas ficaram mais leves, as pessoas começaram a comprar para utilizar em casa e assim ganhar mais tempo no trabalho. Com o computador, percebe-se o mesmo processo, porém muito mais intenso.

Cada vez mais os microcomputadores estão cada vez menores e a facilidade que usuário tem de usá-lo está cada vez mais, é ilimitado. A barreira do tempo e espaço se rompe.

Logo, existe uma intimidade simbiótica entre os indivíduos e estes objetos eletrônicos que estão a cada dia menores. Pode-se usá-los no banheiro, no trem, na rua e em qualquer outro lugar.

Apesar dos pontos positivos desta integração, existem problemas a serem observados como a falta de delimitar o tempo. Porque os horários certos para o trabalho e o lazer como antigamente, hoje em dia não são delimitados, havendo assim uma simbiose entre os dois espaços. Enfim, ao invés de ser livre, pode tornara-se prisioneiro das novas tecnologias.

Crônica escrita em 14/08/2010












quinta-feira, 17 de março de 2011

CONSIDERAÇÕES

Na crônica que escrevi no dia 16 de março de 2011 está rasa de argumentos, preciso estudar melhor o assunto e a Lei Rouanet. Não posso acreditar no Wikipédia, se almejo ser um bom cronista e articulista tenho que me aprofundar no assunto.

Como sempre a pressa em escrever me leva à equívocos. Entretanto, estou aprendendo e me exercitando a escrita e a elaborar os pensamentos.

Quando blogo percebo o quanto posso ser ignorante e ridículo ao dizer a minha opinião, que na realidade são discursos de outras pessoas. E percebo como sou influenciável e muitas vezes superficial. Pois, como já me disseram para um texto ficar bom, o escritor tem que ter domínio no assunto.

Mesmo assim, acho que posso tirar conhecimento disso e que pode até me ajudar a aprender outros conhecimentos.

Enfim, continuarei minha jornada.

quarta-feira, 16 de março de 2011

“Maria Bethânia terá R$ 1,3 milhão para criar blog”

Ao ler a reportagem da Folha, que a cantora Maria Bethânia conseguiu autorização do Ministério da Cultura para captar R$ 1,3 milhão para criação de um blog, comecei a pensar sobre quais são os critérios para conseguir verbas de instituições particulares para um projeto.

A ideia da cantora é interessante, a proposta do site "O Mundo Precisa de Poesia" pode trazer diariamente um vídeo da cantora interpretando grandes obras. A direção dos 365 vídeos seria de Andrucha Waddington.
Entretanto, será que não existem projetos melhores e mais urgentes para a área cultural? Como, por exemplo, promover projetos de oficinas literárias, de música ou de pintura para as populações carentes. Criações de teatros, bibliotecas e museus. Ou injetar investirmentos nas escolas públicas para promover eventos culturais, contratando poetas, músicos, artistas plásticos, escritores e atores?

Não quero desqualificar a cantora, que é uma artista genial, mas acho que não se pode misturar as estações. Com certeza, há projetos mais eficazes que estão na fila para aprovação de capitalização, porém, como não são de artistas famosas ficam mofando. Por outro lado, se a Internet banda larga ainda não chegou a várias áreas do país, como as pessoas destas regiões acessarão o site?

O país precisa de uma gestão cultural melhor que promova a diversidade cultural. Posso estar equivocado, mas a avaliação desses projetos não é transparente, dando a entender um jogo de cartas marcadas.

O país, apesar de sua economia pujante(como falam os especialistas), necessita de mudanças estruturais profundas na educação e na área cultural. Repito, não estou desmerecendo o projeto da cantora, todavia deve haver projetos mais viáveis no momento.

Outro fato é que ao ler a notícia, ignorantemente pensei que era o ministério da cultura que iria patrocinar diretamente o projeto. Mas, o meu pai depois soube que, na realidade, os projetos culturais são aprovados por uma comissão técnica do Minc e os realizadores poderão capitalizar  investimentos junto à iniciativa privada, a qual irá ser beneficiar em renúncias fiscais. É a Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei nº 8.313 de 23 de dezembro de 1991), conhecida também por Lei Rouanet, e que institui politicas públicas para a cultura nacional, como o PRONAC - Programa Nacional de Apoio à Cultura.

 Então, devemos ler as notícias com cuidado para não as entender equivocadamente e cometer injustiças, porque muitas pessoas que comentaram o assunto, acharam que o governo seria o patrocinador .

sábado, 12 de março de 2011

SÓ TENHO A AGRADECER







Continuem a falar de mim e pode ser mal mesmo. Independente de elogios ou críticas, o resultado é o mesmo: a fama sempre bate à minha porta. Quando alguém me detona, fico muito feliz por ter mais uns segundinhos na mídia; por isso, podem destilar as palavras mais ofensivas, a cada uma delas, ganho uma entrevista num programa popular.


Quando soube que um ilustríssimo autor( com certeza terá seu espaço na Academia Brasileira de Letras) disse que não tenho espaço em suas novelas, devido à minha participação no filme pornô, percebi que a sorte sorria para mim e me aconchegava como uma mãe carinhosa; neste momento, choveram jornalistas para saber a minha opinião sobre o que ilustríssimo autor disse ao meu respeito. Aproveito para divulgar os meus projetos: o livro de contos e o filme de conteúdo adulto que estou a produzir (uma idéia muito original, os diálogos serão recitações de poemas de minha própria autoria). Todos querem falar comigo. Lógico, que tem uns chatinhos que me provocam, mas eu tiro de letra. O importante é que estou mostrando o meu talento. Se sou efêmero, não tem importância, mas sou reconhecido hoje e o importante é o hoje. E a roda da vida é assim mesmo, existe uma legião para me substituir. É só chamar.


Preciso ir; tenho uma reunião importante. Agora, gostaria de reafirmar o meu pedido:




Por favor!! Falem de mim sempre, me esculachem bastante e não economizem injúrias. Só tenho agradecer; sem vocês, talvez, não conseguiria nada.




Crônica escrita em 2009

quarta-feira, 9 de março de 2011

LIBERDADE POEMA DE FERNANDO PESSOA





Liberdade
Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...
Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.
Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!
Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.
Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

domingo, 6 de março de 2011



CARNAVAIS



Eu não gosto de carnaval, mas acho pobre reduzi-lo em pornografia. Ele é polissêmico, tem vários sentidos.



O carnaval é sonho, lúdico e lírico. É a festa das crianças que se divertem que nem pinto no lixo nas ruas e nas matinês. É dos idosos que revivem os antigos carnavais nos bailes da terceira idade. É da família que viaja para lugares interessantes, compartilhando experiências bacanas.



Empobrecer o carnal como só sendo uma promissora e milionária indústria erótica é deprimente.



Carnaval é maravilhosamente polissêmico.

sábado, 5 de março de 2011

OUTROS OLHARES

Sobre o livro
Fractais - de Sílvio Vasconcellos  por Angela Schnoor



Hoje tanto se fala e se publica minicontos de todos estilos e qualidades. Ao receber os Fractais do Silvio Vasconcelos li com prazer e surpresa agradável por não encontrar preocupação do autor com padrões definidos e muito menos rígidos.
São mesmo Fractais, estruturas complexas que se repetem em várias escalas sem prisão a contagens de palavras ou limites de caracteres.

Os fragmentos escritos por Silvio nos fazem refletir sobre as ironias da vida, os desencontros e as frustrações. Mas não se trata de um livro pesado, pois é com humor que desfila os fracassos amorosos; é poético, às vezes triste, e ainda brinca com as palavras como, por exemplo, no conto que sibila:

SAUDADES
São silenciosas suas sombras, sinuoso seu silêncio, singular seu sofrimento. Só, sua sina sucumbe saboreando sentimentos, sede sufocante, salgada,sobrepondo-se sorrateiramente sobre seu semblante. (pg 83)
Ao lado da linguagem poética, o autor ainda encontra espaço para a contundente crítica social, em
DIFERENTES PERDAS
- Sr Editor,temos que escolher a foto da capa desta semana.
- A matéria é violência urbana e a infância. O que temos aí?
- Temos centenas de fotos de famílias que perderam filhos com balas perdidas.
- Alguma família branca?
- Sim, uma.
- E qual é sua dúvida? (pg 90)
Após 100 páginas de minicontos em tonalidades variadas, Sílvio surpreende ao brindar seus leitores com histórias de maior porte, se bem que ainda breves e sintéticas.

Noite, (pg 103) resume o dilema entre sonho e realidade que permeia toda a obra. E os contos ENFIM ZULMIRA, (pg 107) e SÚBITO (pg 109) me pareceram textos extraordinários a encerrar e recomendar especialmente a leitura desta estrutura geométrica complexa.
 

terça-feira, 1 de março de 2011

INSTRUÇÃO PERTICULAR



·      Nunca se vitimize, você é adulto e responsável por suas escolhas.

·      Viver é bom, não se esqueça disso. Mesmo que esteja sem forças para levantar da cama, pense alto como viver é maravilhoso SIM.

·      Aprecie um pouco o silêncio, para quê escrever e falar tanto? Leia mais.

·      Não espere muito dos outros, ninguém vai solucionar seus problemas. Precisa dá conta de você mesmo.

·      Não se perca nos seus sonhos, mas não se esqueça deles.

·      Não deixe a preguiça e o desinteresse o aprisionarem.

·      Não seja amargo com as pessoas, ninguém tem culpa de suas frustrações.

·      Sei que será difícil aplicar todos os dias estas instruções, mas não custa nada tentar.