LABIRINTO DE ESPELHOS



“O homem absurdo é aquele que nunca muda.Georges Clemenceau

A origem das guerras está na hegemonia. Os grupos sociais e éticos querem se sobrepor aos outros e, mesmo com as tragédias, continuam a praticar repetidamente as tragédias. Logo, na verdade, as guerras são reflexos de uma só. No cinema, existe uma reflexão sobre esta repetição.

Ontem assiste O Meninodo Pijama Listrado( que foi baseado em um livro com o mesmo título), em que narra a história de amizade de um menino alemão com outro garoto judeu e prisioneiro no campo de concentração.  Lembrei-me de outro filme que me marcou bastante Violação de Domicílio... Numa área tomada pelo exército israelense, um casal entra em conflito sobre o futuro de sua família. A esposa deseja se mudar, enquanto o marido defende a permanência. Em meio a discussões amargas, o local é invadido e eles são mantidos como reféns pelos soldados israelenses.

Nestes dois filmes mostram como a história possui interpretações sobre o mesmo tema. Quem é o vilão? O mocinho? Ou se todos nós somos vítimas da nossa própria ganância de hegemonia e quem sofre mais são os mais frágeis: crianças e idosos.

Apesar de tanta perda continuamos com a guerra.  Sendo vilões ora vítimas ora mocinhos ora bandidos dependendo do ponto de vista. Repetimos as mesmas coisas como estivéssemos em um labirinto de espelhos. 


Postagens mais visitadas deste blog

Idéias do canário-Machado de Assis

FILME ANTICRISTRO

Escritores da Liberdade