terça-feira, 26 de outubro de 2010

VAMOS PARAR DE PERDER TEMPO

Algum tempo atrás, criticava veemente as pessoas que faziam de tudo para parecer. Celebridades instantâneas que apareciam em capa de revista, principalmente, para mostrar o corpo. Hoje, percebi que estava errado. Tem-se que questionar alguém, é quem dá espaço a estes indivíduos; no caso, a mídia. Eles não aparecem na marra, existe uma infra-estruturar lucrativa por trás que punciona a "dança das cadeiras" destas celebridades efêmeras.

Se alguém escolhe viver uma vida vazia de sucesso rápido, é problema exclusivamente dele. Contudo, é mais proveitoso analisar como a nossa sociedade contribui para este fenômeno social da super exposição. Confesso que comecei a pensar sobre isto, quando li um artigo que detonava uma escritora ex-prostituta, que dizia que os clássicos não serviam para nada. Quem escreveu o texto, detonou a autora e reproduziu alguns erros ortográficos que ela cometeu. Mas, se ela tem livros publicados e dá entrevistas, é devido aos meios de comunicação por trás. A ex-garota de programa e escritora não apareceu do nada e fez sucesso por conta própria.

Enfim, ao invés de queimar cartucho com as celebridades instantâneas, proporcionando ainda mais segundos de fama, seria mais proveitoso discutir sobre os valores da nossa sociedade, pois, será que eles valorizam a pessoa bem informada ou ética? Também, deve-se cobrar das pessoas que precisam prestar conta a todos nós: os políticos. Estes sim que necessitam dar bom exemplo e o povo ficar de olhos atentos.

Crônica escrita em 28/09/2009