terça-feira, 26 de outubro de 2010

HORAS VAZIAS NO TWITTER 29/09/2009

Filme Metropolis (1927): "O coração tem que ser o mediador entre o cérebro e as mãos".
***
Através da janela protegida por uma grade e com vidros revestidos de insufilm vejo os pombos voando para lá e para cá.
***
sentir a brisa da noite na nuca me acalma.
***
às vezes, eu queria ser um rio que flui sem pensar.
***
Acidente na linha amarela. Momento efêmero de espanto. Todos continuam em seus lugares no ônibus, conversando e brincando.
***
Vi uma reportagem que mostra as celebridades sem maquiagens. Gente!! Elas são como pessoas comuns e têm o direito de se abarangar!!!
***
Escritos verdes que um dia vão amadurecer. Muito estudo e persistência pela frente.
***
FELICIDADE: seis horas da matina. Mulheres rindo e conversando alto com o motorista e o trocador lá na frente. O ônibus estava abarrotado.
***
faço uma seleção natural dos meus pensamentos, mas os vencidos continuam a me assombrar.
***
Quando crescer, quero ser uma tartaruga secular.
***
Um bom conselho materno: “ Ninguém é insubstituível.”
***
neste momento a casa está silenciosa, o barulho de chuva retorna. estou sentindo tanta paz.
***
Quero acreditar em existências gêmeas que podem superar diferenças sociais, culturais, religiosas e étnicas
***
o grito do silêncio vem de dentro para fora
***
A brisa abre levemente as cortinas e mostra a escuridão da madrugada fria.
***
Ao escrever cometo vários tropeços. Levanto-me e sigo em frente.
***
A palavra é a atmosfera que alimenta a minha realidade inventada, sem ela sou uma coisa.
***
Realmente, escrever para mim é uma forma de exorcismo.
***
A chuva estiou. O vidro da janela ficou embaçado. Havia fechado a vidraça para não molhar a cama.
***
atravessando; vivendo.
***
Parece que me jogaram um feitiço. De repente, estou uma geléia gigante.
***
Minha alma quer comer brigadeiro, mas meu corpo está de regime. Logo, estou com crise existencial.
***
Folhas secas no chão. A neblina encobre um pouco as árvores desnudas.
***
Micos na árvore e o gato à espreita. Escaparam. Ainda bem!
***
Acidente na linha amarela. Momento efêmero de espanto. Todos continuam em seus lugares no ônibus, conversando e brincando.
***
ENCONTREI UMA IDEIA ANTIGA NA GAVETA.
***
– Por que verifico toda hora meus e-mails? Será que espero uma mensagem de que tudo vai dar certo no último capítulo da minha vida?
***
“Todos têm um preço.”/ Será que isto procede mesmo? Quero acreditar que não.
***
Quero viver vivendo, não vivendo pensando.
***
carcaça de pipa cai do poste e fica inerte no chão
***
Não sou obrigado a ser feliz. Tenho momentos alegres e frustrantes. Não adianta racionalizar o sentimento, deixa-o bater à porta....