terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Pedro J. Bondaczuk

Nada do que se impõe pela força prospera, dura e produz bons efeitos de longo prazo. Em princípio pode, até, parecer que é eficaz. Não passa, todavia, de ilusão. Educar não é impor, mas é, sobretudo, convencer, conquistar corações e mentes e persuadir. O educador que não tem isso em mente não está preparado para essa magna tarefa. Frank Clark constatou, com grande lucidez: “Pode-se levar uma eternidade para conquistar o espírito do homem pela persuasão, mas ainda assim é mais rápido do que conquistá-lo pela força”. Mais rápido e o único meio verdadeiramente eficaz. Se quem educa não tem argumentos para persuadir o educando da correção daquilo que quer transmitir, é porque não tem convicção a respeito. Em vez de educar, precisa ser educado. A força só tem alguma eficácia (e assim mesmo, em certos casos) para tarefas meramente braçais. No mais, é pura perda de tempo e de energia. E, sobretudo, de oportunidades.

****
Pedro J. Bondaczuk, jornalista.