domingo, 9 de dezembro de 2012

AMANHECER PARTE II




O que dizer? Realmente, não é meu estilo. Mas, passei uma tarde agradável assistindo-o. Vi toda a saga e ótica da história são os sentimentos e as escolhas que se faz pelo caminho. Bela vivia perdida e se encontrou realmente, quando encontrou seu amado e ao se tornar vampira. 

Li e ouvi algumas críticas que argumentavam que a saga tinha valores antiquados. Bela e Edward eram cafonas por serem românticos. Principalmente Bela, por não pensar em trabalhar e só desejar amar e ser amada. Logo, as jovens deveriam ter cuidado com as mensagens subliminares machistas que permeiam o filme. 

Acho essa crítica meio forçada, pois se fosse assim, quem curte jogos violentos ou filmes sairão metendo porrada em todo mundo.

Os “valores morais” do filme existem há muito tempo por aqui. Há muitos jovens que só querem amar e ser amados e outros que veem históricas românticas somente como válvula de escape. 

Não considero a Saga Crepúsculo tão prejudicial, é fantasia. Agora, quem acredita que é verdadeira esses indivíduos precisam de cuidados especiais, como aqueles que acham que estão num jogo e precisa matar inocentes para ganhar pontos.

Não é segredo para ninguém que as criaturas mágicas que rondam o filme são metáforas que mostram a construção de identidade dos adolescentes, principalmente no ingresso à vida adulta. O que você é e o que quer ser fazem parte da construção da identidade de uma pessoa. Bela atravessou esse processo de descoberta. Na vida real se atravessa nessa dialética. 

O filme é sentimental, não é ação. Os personagens querem ser felizes, amar e ser amados. Quem não quer?

Na ficção se pode tudo, por isso que as pessoas precisam viajar um pouco para retornar ao cotidiano. Quem nunca pensou no amor eterno? Ou ficar eternamente jovem?

Repito, não foi minha saga predileta. Mas, foi um bom passatempo.