sábado, 12 de novembro de 2011

TRAVESSIA






Lembro-me que escrevi uma vez: “Tenho um twitter. E aí? A ausência de significado impera.”. Hoje, uso muitas vezes o twitter para escrever microconto ou divulgar algum vídeo ou um texto mais longo que produzi.

Sempre que entro numa rede social, sinto estes sentimentos de vazio e estranhamente. Por que quer participas desta rede? Qual minha proposta? O que farei?

Entrei numa nova mídia social que compartilha vídeos e tenho as mesmas impressões quando ingressei no Orkut, Facebook, Twitter e Youtube. Não sei o que fazer e quais são minhas pretensões?


Não quero encher o saco das pessoas e ficar adicionado um monte de gente para divulgar meu “ trabalho”. Sinto-me mal, quando vejo fotos de pessoas que nunca troquei uma palavra, tenho a impressão de ver espectros.

Estou chegando à conclusão que entro numa mídia ou rede social, para buscar um feedback. Sempre tive ideias e nunca houve oportunidade de expressá-las. Logo, com a Internet e os espaços virtuais gratuitos que surgiram através dela, possuo a oportunidade de encontrar um meio para divulgá-las. O balanço da experiência está sendo importante para meu amadurecimento. Pois, preciso lidar com a frustração e isso se torna um bem para mim.

Quando entrei nesta nova mídia, vi que um site de humor fez um canal lá, adicionei-o, mas ele não me aceitou. Entendo, deve ser tanta solicitação, que só um zumbi de computador tem paciência de ficar aceitando um monte de gente. Ou, simplesmente, não está interessado de me aceitar como amigo. Está no direito dele.

Observei os “amigos” do canal e tive o ímpeto de convidá-los para serem meus amigos. Felizmente, não concretizei meus impulsos. Depois, tudo se transformaria em algo sem sentido para mim. Como mencionei antes, já tomei esta atitude e com o tempo me frustrei.

Agora, preciso explicar uma coisa, argumento sobre mim, não generalizo. Quem toma esta atitude tem seus motivos. Não sou contra, respeito.

O que almejo? Gostaria de manifestar minhas ideias e aprender com as opiniões ou críticas construtivas. Quero aprender com meus erros, transformá-los em sabedoria e continuar minha travessia do autoconhecimento.