terça-feira, 5 de julho de 2011

00:21


 



De repente, navegando na internet, encontrei um conto antigo meu espalhado por alguns blog e sites. Fiquei feliz, porque mesmo que meus escritos ainda não tenha uma qualidade artística, por um momento, o conto tocou o coração de alguém.

Há muito tempo desisti de ser “imortal”. Não tenho genialidade o bastante. Mas, se eu conseguir emocionar um indivíduo, por segundos, ficarei realizado. Ser efêmero não é ruim, mesmo que se esqueçam dos meus textos em seguida. Talvez, eles sejam depositados em qualquer região do inconsciente e se transformem em quimeras. 


Agora, o que é péssimo é ser descartável. Escrevi muita baboseira com pretensões artísticas. Confesso que chego a ser pretensioso, à vezes. Sempre espero elogios. Ainda bem que ao escrever, a razão me chama. 

O sono envolve meu corpo. Boa noite, possíveis leitores!