sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Não quero mais explicalizar; quero vivelizar. Escrito em • 3/11/2008





Eleição. Votar certo. Crise mundial. O que é ser brasileiro? O que é globalização? Medo do futuro. Desencaixe. Pergunta clichê: quem sou eu? Rostos sérios comentam sobre a crise na televisão, alguém diz: os ricos continuarão ricos e os pobres cada vez mais pobres. Ideias alheias emergem da minha mente, sempre tão perfeitas para explicar o mundo; porém, impotentes para melhorá-lo. Com as novas tecnologias as barreiras físicas estão se quebrando, entretanto, as muralhas internas que existem dentro da gente, estão sendo rompidas? Reformada língua, tantas reformas em tempos idos e nada dela ser compreendida pela maioria de seu povo. Toda hora mudam os nomes dos períodos escolares, só que a essência continua a mesma, será que ter só imaginação para trocar nomes não é pura perda de tempo? Caminho em círculos, a vida é um labirinto circular; a palavra não alcança a velocidade dos meus pensamentos. Não vou mais me preocupar em entender, li isso em algum lugar. Parece que quem escreveu esse pensamento foi uma autora brasileira ou estrangeira... Acho que era brasileira mesmo, porque amava a nossa língua, mas a gente não fala brasileiro e sim português. Falamos semelhante ao português, mas nossa linguagem tem outra vida. Não quero mais explicalizar; quero vivelizar.