domingo, 18 de setembro de 2011

UM DIA DESSES... ( Cronica Antiga postada em 28/04/2006 11:26)

pequeno+polegar,+o
Crédito da imagem: http://www.submarino.com.br/produto/1/123898/pequeno+polegar,+o


Vi pela Internet um curso de pós-graduação Latu Seno de Literatura infanto-juvenil. Fui ao último dia de inscrição. Não passei, mas acho que não perdi o meu tempo. Aprendi bastante e tive contato com histórias infantis nas suas origens. Antigamente, muitas histórias para crianças vinham da cultura popular ou das adaptações de gêneros literários para adultos. Não pude deixar de fazer uma conexão com as últimas notícias: pais que abandonam os filhos, a miséria e a violência. Dos vários contos, destaquei O PEQUENO POLEGAR de Charles Perrault.


A narrativa começa, quando um casal de lenhadores desesperados pela miséria que vivia resolveu abandonar os filhos na floresta. Mas, O Pequeno polegar escutou a conversa dos dois e ao ficar perdido com os seus irmãos, fez uma trilha de pedrinhas brancas que catou àquela noite, em que escutou a conversa dos pais.


Quando os meninos voltaram, os pais os receberam bem. Haviam recebido um dinheiro de quem lhes devia. Todavia, a fome assolou novamente. O pai e a mãe abandonaram de novo os filhos na floresta. O Pequeno Polegar tentou de novo se preveni, todavia não pôde pegar as pedrinhas brancas, a porta estava fechada. Resolveu pegar o pão e fazer bolinhas para jogar no percurso. Só que os passarinhos tinham comido a trilha e o protagonista e os irmãos ficaram perdidos. O Pequeno Polegar subiu numa árvore e viu uma casa. Os irmãos foram até lá e bateram na porta. Uma mulher atendeu e lhe deram assistência. Só que a casa era o lar de um Ogro. Ao ver os meninos, o monstro quis comê-los. O Pequeno Polegar percebeu as verdadeiras intenções. Astutamente trocou as coroas das filhas do Ogro com o seu gorro e com gorros dos seus irmãos. Depois, os meninos fugiram. O Ogro matou suas próprias filhas. Revoltado por enganado, ele caçou os garotos velozmente com suas botas sete léguas. O Pequeno Polegar mandou os irmãos fugirem e esperou a oportunidade de pegar a bota rápida. Aproveitou que a besta cansada dormia e as roubou. Enfim, o pequeno polegar com a bota de sete léguas conseguiu salvar os irmãos e tirar os pais da miséria.


Lógico que, na realidade na maioria das vezes, não há final feliz. Porém, usando o conceito de catarse de Aristóteles, as representações dramáticas do conto evocam sentimentos de terror ou piedade nos leitores. Para o filósofo a fábula é uma imitação da ação. “Chamo fábula a reunião das ações; por caráter entendo aquilo que nos leva a dizer que as personagens possuem tais ou tais qualidades: por ideais, refiro-me a tudo o que os personagens dizem para manifestar seu pensamento”. Não se pode esquecer, que os contos de fadas herdaram essa estrutura da fábula.


Perrault, Charle, 1628-1703. Belo Horizonte: Villa Rica ed.
ARISTÓTALES. Os pensadores. Ed. Nova Cultural.