domingo, 28 de agosto de 2011

A GAROTA IDEAL( 2009)






Lars (Ryan Gosling) um jovem introvertido que vive numa cidade do interior com o irmão mais velho e a cunhada. Tudo ia bem, até levar para casa Bianca, sua parceira ideal. O problema é que Bianca é uma boneca comprada pela Internet, que Lars se relaciona com ela como se fosse real. Recomendados por uma psicóloga e na tentativa de compreendê-lo, sua família e os moradores da cidade decidem acompanhar a fantasia de Lars.

O filme trata o “distúrbio” do protagonista não como caso patológico, o qual havia necessidade de interna-lo e tratá-lo como remédios. Mesmo que estivesse sofrendo de delusão, conceituado como falsa crença e é utilizado na linguagem formal para descrever uma crença que é ou falsa, irreal ou resultada de fraude (Na psiquiatria,  o significado é mais precisa e sugere que a crença é psicopatológica:  resultado de uma enfermidade ou de transtorno mental), Lars vivia sua vida normalmente, sem prejudicar ninguém, pelo contrário, era um Professional e morador da cidade. Por que enclausura-lo no hospício se não oferecia mal a ninguém?

Ele só era um rapaz solitário que transferiu todos seus traumas e sonhos para boneca inflável. Bianca não foi um escapismo da sua loucura, mas um casulo que serviu para Lars despertar e crescer. Foi um ensaio, onde experimentou sentimentos que nunca sentiu.

 Todos nós precisamos de um tempo para colocar os pensamentos em ordem. Ir para um lugar remoto ou se isolar no quarto, muitas vezes, pode ser fundamental para seguir em frente. Ao longo da história o protagonista foi se descobrindo e amadurecendo. Bianca o ajuda para sua passagem à vida adulta de verdade.

O filme é delicado e mostra que o racionalismo e remédios, na maioria das ocasiões, não ajudam as pessoas a serem sãs. Mas, a tolerância e a busca do autoconhecimento através do diálogo com o outro e consigo mesmo.