domingo, 6 de fevereiro de 2011

“ Sou tudo que você não gostaria de ser.”



Outro dia fiz um vlog sobre esta  frase  e argumentei que a pessoa que exerce uma liderança ou serve como modelo de boa conduta, muitas vezes não tem liberdade para seguir seus impulsos. Pois, como é exemplo para os outros, não pode dar um passo em falso.
Diferente, da pessoa que não é paradigma para ninguém. Ela pode exercer sua individualidade e meter o pé na jaca. Ninguém irá criticá-la, pois ninguém deseja ser ela. Portanto, exerce uma plena liberdade.

No meu caso, não tenho muitas visitas no meu blog e nem no canal no youtube. Sou um ilustre desconhecido. Escrevo e faço vídeos praticamente para mim mesmo. Não há compromisso para o outro. Até acho que quando leem o veem o que faço muitos nem compreendem. Minha “produção” é muito individual, só falo sobre mim.

Voltando o assunto da liberdade, como tenho pouco acesso no youtube e nem tenho ambições de ser parceiro dele, coloco músicas nos meus vídeos que exemplificam meu estado de espírito. Aí, quando coloco o vídeo no site, aparece a mensagem: “Corresponde a conteúdo de terceiros. Ver informações sobre direitos autorais.”.

Tenho a consciência tranquila que não estou ganhando dinheiro com propriedade artística de ninguém. Os vídeos que faço são intimistas e muitas vezes ninguém tem paciência de assistir.

Porém, se eu fosse parceiro do youtube e muitas pessoas vissem meus vídeos, não poderia colocar as músicas, já que estaria me promovendo ou ganhando dinheiro com a produção artística alheia.
Fico sempre um pouco dividido. De um lado quero aparecer e ser admirado, mas por outro lado gosto de ser o que ninguém ser, pois aí tenho liberdade de fazer o que desejar. Mesmo que produza mensagens que ninguém entende, só eu.