segunda-feira, 26 de outubro de 2015

ACIMA DAS NUVENS (2014)

Acima das Nuvens


Maria Enders  é uma famosa atriz que fica perturbada com o fato de que JoAnn, jovem estrela de Hollywood, interpretará o papel que a fez famosa há vinte anos. Convidada a dividir o palco com a novata, uma insegura Maria viaja até os Alpes para ensaiar e conta com o apoio de sua assistente.

Depois de assistir ao filme, comecei a pensar sobre o tempo, o ego e a diferença de ser artista e celebridade. Na peça que Maria foi convidada a fazer novamente, o novo diretor queria que ela fizesse a personagem da mulher mais velha que se apaixona cegamente por um jovem. Maria não conseguia se ver na pele do papel da senhora, pelo contrário, identificava-se com a juventude cruel da outra personagem. A juventude tem uma beleza tão poderosa e encantadora que vai se esvaindo com o tempo e o acumulo de experiências que se acumula ao longo do caminho. Maria ao ver JoAnn, sentiu falta de quando era uma jovem atriz que só tinha intuição e o viço.

Não conseguiu separar sua vida privada com a arte.  Na verdade, projetava a decadência e a ruína da personagem madura no que estava acontecendo com ela. A atriz Maria Enders vinha de um divórcio e meio desiludida com a vida. Principalmente, com a ascensão da Joan, jovem estrela de Hollywood, sentia-se jogada pelo escanteio. Logo, percebi que o ego de se ofuscou porque ela não queria ser uma atriz, mas, uma celebridade também. Só que todos sabem que o mundo das celebridades é inconstante e trata as pessoas como se fossem produtos descartáveis. Já que para a experiência par uma atriz fazer a mesma peça que a projetou anos antes. No ponto de vista de outro personagem seria muito enriquecedor.

Outro fato interessante que achei foi de como o filme mostra à relação das novas tecnologias com o mundo artísticos e das celebridades. Quando Maria soube que a mulher ( uma artista plástica alemã) de um escrito tenta suicídio porque o marido tem um caso com JoAnn, começa a procurar discretamente na internet móvel do celular na frente da outra.

Enfim, o filme faz uma crítica melancólica e com humor sobre este mundo superficial dos famosos e como certas pessoas não sabem lidar com o tempo. Não entendem que todas as idades são bacanas de ser curtidas e, principalmente, perceberem que se podem manter jovens ao se reciclarem e não ficar parados como rochas.