sábado, 11 de agosto de 2012

Aliens, O Resgate





Por esses dias assisti a este filme e comei a pesar que como me equivoquei com a imagem do Aliem. 

Na realidade são criaturas que só querem sobreviver. Tudo bem que usam os outros como hospedeiros, mas se não fazem isso perecerão. Se observarmos a cadeia alimentar e a vida de muitos animais da terra, praticam a mesma coisa. 

É que homem constrói um mundo interpretado moralizante e coloca tudo que não é humano de mal. Observamos muito isso no cinema como nos filmes do Tubarão assassino ou quando os vilões são desfigurados.

Não condeno a protagonista de o filme matar as criaturas. Ela está salvada sua pele e de uma garotinha, única sobrevivente de uns colonos que tinham ido antes para o local de expedição. Faria a mesma coisa, o instinto de sobrevivência sempre fala mais alto. Até porque não dá para falar com os Aliens, pois precisam de nossos corpos para perpetuar a espécie.

Na história, a personagem além de enfrentar as criaturas, precisa lidar com a ambição humana. Tem um cientista que só quer saber do dinheiro que levara com os estudos das cobaias dos alienígenas que estão num laboratório da base. Ao saber disso, ela fala você é pior que as criaturas. Concordo, pelo menos não matam por ambição e sim pela vida.

Há outra parte do filme, quando o “Aliem-rainha” fica zangada quando a protagonista destrói seus ovos e a segue. Então ela entra num robô e a chama de vadia. Poxa vida, a mulher arrebenta os ovos da outra e ainda a chama de vadia. Tadinha!

Enfim, mesmo que sinta pena do Aliem e entenda sua situação, mas se o encontrasse mataria sim. Porém, não por achá-lo mal e sim para viver. 

Agora, o que me dá medo mesmo, pensar que há muitos seres humanos que tornam os outros como hospedeiros...

Que o Senhor me proteja!

Aliem perto destas criaturas são verdadeiros anjos.