domingo, 29 de janeiro de 2012

QUE PAÍS É ESSE?



Não sou muito politizado e sei que o Brasil precisa melhorar muito. Entretanto, percebo mudanças. Trabalho num cartório localizado num município do Rio de Janeiro, que é uma área industrial e rota de petróleo, e de uns tempos para cá vários estrangeiros chegam à região e fazem procurações, abrem firma e reconhecem assinatura. Também, brasileiros que viviam anos lá fora retornam, provocando um aumento de pedidos de transcrições de casamento e nascimento no cartório. Anos atrás, era o inverso, muitos brasileiros iam embora à busca de melhores oportunidades nos E.U.A, Europa e Japão.

O Brasil é uma potência e precisa se educar. Não é novidade para ninguém, que a corrupção e a ignorância atrapalham o desenvolvimento do país. Porém, as mudanças estão bastante rápidas e tenho a impressão que algumas pessoas não estão acompanhando. Continuam a achar que o país é uma droga e que nunca será de "primeiro mundo". Sempre fazem comparações com a Europa e um país em destaque, Noruega.

Lógico, que podemos utilizar ótimos paradigmas no outro continente, mas precisamos pensar em ideias e construir exemplos originais para melhorar o Brasil. Inventar uma nacionalidade própria e parar de tentar ser uma cópia barata de americano e europeu. Somos muito mais do que isso.

Nosso país tem um lado podre, sim. Todavia, é um lugar de gente trabalhadora e que luta todos os dias para melhorar de vida. É um lugar sem estereótipos, não deixa de ser vários fragmentos de realidade que estão construindo pontes ao longo do tempo para se tornar uma nação. Acredito nele. Lembro-me que quando era criança, o Brasil era muito pior que hoje em dia.

Porém, não sou adepto ao ufanismo usado na ditadura dos países da América Latina nas décadas de 60, 70 e 80 do século XX, a minha esperança é o surgimento de um patriotismo reflexivo e ético, o qual o torne mais justo e desenvolvido. E a insatisfação é um bom remédio, muitas vezes, para combater a corrupção que prejudica tanta o país. Só não concordo em rotular o Brasil como sem solução.