sexta-feira, 24 de junho de 2016

O VENDEDOR DE PASSADOS


Imagem encontrada no google

Nesta semana, assisti ao filme que conta a história de um cara que inventa um passado para as pessoas que não gostam muito dos seus. Não quero falar do filme em si, mas da reflexão que eu tive ao vê-lo.

Será que se deve acreditar em tudo que dizem, ou em documentos e fotos? Será que a História com seus monumentos e museus inventa uma memória, de certa maneira? O que de fato aconteceu? E se uma mentira legitimada juridicamente e através do tempo possui o poder de se tornar verdade? Quantos heróis históricos foram construídos ao longo do tempo com propaganda e trilha sonora?

 Em muitas ocasiões, a realidade humana se confunde com a verdade e a mentira. Logo, precisa-se estar atento para não acreditar em castelos encantados de areia. 

Hoje em dia, principalmente, em relação ao culto a imagem, vive-se numa superficialidade da máscara. 

 Será que somos o que pensamentos ser? Ou na verdade inventamos e editamos nossa vida de acordo com nossos interesses. 

E você? É tudo o que diz ser?