segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Sem ânimo de sair

Imagem encontrada no google

Em todo lugar no mundo existe a hora do rush, mas, onde vivo, chega a ser o inferno: Conduções lotadíssimas e um empurra empurra danado, desafiando a lei da física de que dois corpos NÃO ocupam o mesmo espaço. ( E na Kombi, onde o banco cabe três pessoas e os motoristas falam que são quatro. Nem se pode reclamar, estamos à mercê deles, já que sem eles o percurso ao trabalho ou para casa torna-se mais longo...)

Disseram que com os BRTS, o transporte público melhoraria, porém, não percebi nada disso. Diminuíram os ônibus antigos com a finalidade de concentrarem nas estações de BRT. Mesmo que seja mais rápido, por não pegar trânsito, as filas são quilométricas. Fica-se a espera por horas para ir sentado ou se lança à multidão, sofrendo empurrões e xingamentos.

Em pleno final de semana para ir a Madureira, passei o maior sufoco. Fiquei tão chateado, pois, está complicado sair de casa, principalmente, às pessoas que não têm carro. Ainda acho que as políticas públicas para o transporte coletivo visam somente à fluidez do trânsito e não aos usuários de ônibus, metrôs e trens. Se realmente existisse um transporte público de qualidade, não haveria tantos carros particulares na rua( Todavia, não seria interessante para as montadoras e as concessionárias...).

Além da questão dos horários, finais de semana e feriados que é impraticável arrumar condução. Vários brasileiros precisam dormir ao relento, porque não tem como voltar para casa. Pior, isso não só acontece no interior, mas nas grandes cidades do país.
Realmente, estou cansado e sem ânimo de sair de casa.