sábado, 4 de abril de 2015

Ninfomania volumes I e II de Lars von Trier




Finalmente criei coragem para assistir ao filme Ninfomania volumes I e II de Lars von Trier. Confesso que não me sentia preparado para entrar no clima obscuro da depressão, obsessões e da solidão que o diretor aborda com eficiência. Já havia visto O Anticristo e Melancolia e confesso que fiquei deprimido com os dois filmes, por mostrar cruamente o lado sombrio do ser. Lars von Trier, a meu ver, mostra a compulsão por sexo sem maquiagem e clichês. As cenas são sombrias e os personagens são realistas, a protagonista Joe (Charlotte Gainsbourg) é uma mulher comum em busca de prazer e não parece nem um pouco uma personagem estereotipada de filme pornô. Ela não consegue parar e mesmo transando com vários homens a fome continua, além de um buraco vazio crescendo em sua existência. Transforma-se em uma pária na sociedade, porque não se encaixa em nenhum lugar,  solitária com seu desejo.
Não quero analisar moralmente o filme, apesar de eu ser provinciano, mas, será que vale a pena viver assim, completamente escravo de seu desejo? Lógico que a história discute um pouco sobre hipocrisia em relação ao sexo, ainda existe muito. Enfim, apesar de ficar mais uma vez deprimido( como já disse sou provinciano) é bom mergulhar nos lugares mais sombrios do ser humana e reconhecer que eu os tenho, também. Não adianta escondê-los, mais sim aprender a lidar com eles.
 Recordo-me de dois filmes de Bergman que me faz ter a mesma sensação: Gritos e Sussurros e Persona - Quando Duas Mulheres Pecam.
Obs: Agora essa atriz anglo-francesa Charlotte Gainsbourg tem um despojamento para interpretar! Um bom exemplo para se diferenciar o que é ser atriz e do que é ser celebridade.