segunda-feira, 11 de março de 2013

NUMA QUALQUER SEGUNDA-FEIRA( nova versão)




No carro, quando vejo a paisagem fluir velozmente. Penso no livro Sertão Veredas de Guimarães Rosa que mostrava o universo imensurável, mas fragmentado em vários caminhos. Sinto-me perdido nesse emaranhando de veredas e ao vê-las passar pelos meus olhos, parece que esta imensidão arrebata minha alma como se fosse uma onda gigante. Por isso, escrever e fazer vídeos são um jeito de me salvar desse turbilhão de realidades que invade minha retina, irradiando minha alma.