Eu, Robô de Isaac Asimov, 1950






Confesso, não é meu estilo literário( ficção científica), mas, estou a procura de ler outros gêneros com a intenção de abranger meu olhar, saindo da minha zona de conforto. Viajei um pouco, quando aparecia no texto termos científicos ou técnicos.

Quando baixei o livro, pensei no filme inspirado na obra que assisti anos antes.  Não tenho a pretensão  de dizer qual é o  melhor, são  obras  diferentes e produzidas  em plataformas distintas.  Geralmente, o livro e os quadrinhos são voltados para um público mais específico e os filmes tendem a abranger o maior número de público, tornado a história mais acessível. 

Um fato que considerei bem interessante, de como foi editado os contos. Asimov amarra os contos uns aos outros, como uma pesquisa de um jornalista, que vai entrevistando Susan Calvin, a psicóloga de robô e aí os contos são apresentados. 

Não almejo fazer uma resenha do livro, pelo contrário, só  apontarei algumas passagens que achei relevantes e que fizeram a continuar a ler o livro.  “Eu, Robô” amarra nove contos de Isaac Asimov publicados entre os anos de 1940 e 1950, calcando a robótica e suas preciosas Leis. Nos contos podem se deslumbrar de como o autor analisa minuciosamente as diversas possibilidades de ocorrências que podem acontecer por causa das três Leis, as quais estão implantadas  nos cérebros robóticos. Como  se fossem ensaios  que mostravam como seria  se os robôs existissem na sociedade.

AS  TRÊS  LEIS  DA  ROBÓTICA 1  Um  robô  não  pode  ferir  um  ser  humano  ou,  por  omissão, permitir  que  um  ser  humano  sofra  algum  mal. 2  Um  robô  deve  obedecer  as  ordens  que  lhe  sejam  dadas  por seres  humanos,  exceto  nos  casos  em  que  tais  ordens  contrariem  a Primeira  Lei. 3  Um  robô  deve  proteger  sua  própria  existência,  desde  que  tal proteção  não  entre  em  conflito  com  a  Primeira  e  a  Segunda  Leis. MANUAL DE  ROBÓTICA 56 ª Edição, 2058  A.D.


Portanto, nos contos, desde os robôs mais simples e os mais complexos, suas funções são proteger os seres humanos e a própria existências deles. Em cada narrativa, uns serão submissos e outros, audaciosos e prepotentes, entretanto, nunca irão desobedecer as leis da robótica.  

Afinal, valeu à pena leu um livro diferente e sair um pouco da zona de conforto. Recomendo o livro.





Postagens mais visitadas deste blog

Idéias do canário-Machado de Assis

Preciosidade, conto de Clarice Lispector

A Menor Mulher do Mundo de Clarice Lispector