sexta-feira, 16 de junho de 2017

Sobre a brevidade da vida- Sêneca



Como lida com o tempo? Acha que passa rápido demais? Desperdiça-o ou aproveita a cada instante? Sei que são perguntas óbvias que todos já tiveram em algum momento. Mas, quando li esta obra de Sêneca compreendi que os questionamentos sobre o tempo são atemporais, apesar de cada época ser diferente.

O gênero literário do livro é epistolar a certo Paulino e através das cartas, Sêneca desenvolve sua filosofia de vida. “ A maior parte dos mortais, Paulino, lamenta a maldade da Natureza, porque já nascem com perspectiva de uma curta existência e porque os anos que lhes são dados transcorrem rápida e velozmente. De modo que, com a exceção de uns poucos, para os demais, em pleno esplendor da vida é que justamente esta os abandona.”. Criticava o comportamento dos poderosos de Roma que se parecem muito com os de hoje em dia. Era filósofo, dramaturgo, político e escritor e foi um dos expoentes intelectuais de Roma do início da era Cristã. 

Sêneca desenvolve um ensaio de que a vida não é curta, quando não nos deixamos levar pelo ego, ambição de poder ou dinheiro e pelos impulsos. Por meio de exemplos, nos mostra que a busca do conhecimento precisa estar relacionada com o crescimento individual e não como forma de esnobar os outros. O autor tem muito da filosofia grega e considera os pensadores deste tempo, seus verdadeiros amigos. 

Em muitas ocasiões, damos importância ao supérfluo e gastamos nossa vida. Se realmente vivêssemos sem ficar na superfície dos papeis sociais, das amizades falsas, coleguismo e dos relacionamentos de fachada, nós poderíamos aproveitar melhor os momentos./ É um ensaio que ainda é bastante impactante para quem lê. Na época que foi escrito, No Império Romano mesmo que seja super diferente desta sociedade tecnológica, a essência do ser humano é o mesmo. Inclusive, o medo da morte, o desejo da imortalidade e de querer ter mais tempo.

 Ao invés disso, viva cada momento qualidade e como as pessoas que desejam realmente seu bem.