domingo, 28 de agosto de 2016

Tudo ficou fast-food demais




Fui ao cinema, ver a um filme de terror. Os jovens fizeram a maior algazarra e achei engraçado que este comportamento não muda ao logo das gerações. Na minha época de adolescente era a mesma coisa, parecia que estava retornando ao passado. Porém, a viagem não foi completa, por causa dos celulares ligados. Estou impressionado como as pessoas não conseguem ficar desconectadas nem um segundo para curtir um filme. Um rapaz ao meu lado mandava mensagem para alguém o tempo todo e na cadeira da frente, um cara ficou o tempo todo com o celular aceso. Não existe mais aquela escuridão mágica que apimentava ainda mais o suspense das cenas de suspenses e de terror.

O encanto de ir ao cinema acabou, pois muitos filmes são baixados gratuitamente pela internet. Todavia, para mim, ir ao cinema é um ritual que faz reviver meus tempos de infância. Não sei se estou sendo um pouco nostálgico, mas com desenvolvimento das tecnologias, as pessoas estão cada veis mais frias, desatentas em relação ao outro e com carência de imaginação.

 Tudo ficou fast-food demais. Agora, ao gênero do terror, tenho a impressão que perde força. O mundo dos vivos está tão violento que até as assombrações ficam com medo dos vivos. Hoje, no cinema, todos riram e debocharam de filme de terror( acho que o título se chama " Quando as luzes se apagam").

Depois, saíram, deixando o lixo na sala de cinema e com seus smartphones, conectados com vários e ninguém ao mesmo tempo.