terça-feira, 6 de dezembro de 2011

SER RIDÍCULO



Tenho o direito de ser ridículo. Enganar-me ou me expor. Principalmente, nos meus espaços virtuais. Fiz até um vídeo sore o assunto, mas resolvi escrever para exercitar meu lado aspirante a cronista.


Por esses dias, tomei uma atitude que jurei nunca mais fazer. Antigamente, enviava textos por e-mails para jornais e isso foi um mico terrível, já que eles eram verdes para a publicação. Não tive resposta. Agora, mandei uma história para um site de humor e com certeza acontecerá a mesma coisa.

Percebo que quando viajo na maionese nesses devaneios de ser escritor ou artista, descarrego toda minha ansiedade e quando retorno, estou sereno para viver o cotidiano.

Por isso, não terei vergonha de ser ridículo. É uma forma de me autoconhecer, administrando minhas fantasias e obrigações.