domingo, 12 de dezembro de 2010

PRECONCEITO E ESPAÇO PÚBLICO



Há algum tempo, caminho numa praça e constantemente pessoas colocam despachos de macumba. A praça fica suja, pois os cachorros reviram tudo.


Não sou contra a religião e seus praticantes, mas não podiam fazer seus rituais em um lugar específico?



Está na constituição a liberdade religiosa, mas até quando a liberdade não interfere no espaço público? Todos têm o direito de crer e manifestar sua fé, entretanto, como exercer isso, sem invadir o espaço alheio?


Hoje em dia, somos invadidos a todo tempo. Quantas vezes fui obrigado a ouvir no ônibus funk ou música evangélica nas alturas. Nada contra os estilos, todavia não queria ser obrigado a ouvi-los.



Cada vez mais as cidades estão mais populosas e se precisa discutir uma ética urbana que torne a convivência mais tranquila. Porque se cada um praticar o que deseja nas ruas e praças, a cidade se transformará num caos.



Todos têm liberdade de acreditar no que quiser, mas precisa ter o bom senso de respeitar os outros que não compartilham da mesma fé ou gosto.



Principalmente, nos espaços públicos, onde se precisa de ordem para não existir a barbárie.