domingo, 13 de novembro de 2016

ZOOTOPIA



Judy Hopps é uma coelha, filha de agricultores que plantam cenouras há décadas. Mas ela possui sonhos grandiosos, pretende se mudar para a cidade grande, Zootopia, em que todas as espécies de animais convivem em harmonia. Judy deseja ser a primeira coelha a ser policial e sofre com a manipulação e o preconceito dos outros animais. Porém, tem uma ajuda inusitada da raposa Nick Wilde, conhecida por sua malícia e suas infrações. A improvável dupla se dedica à procura de um animal desaparecido, descobrindo uma conspiração que afeta toda a cidade.

É uma fábula contemporânea que faz uma referência à obra Utopia de Thomas More. Na verdade, More se utiliza da ilha Utopia para criticar a sociedade da sua época, onde havia muita ganância de dinheiro em detrimento do povo. Logo, compreende-se que para ter uma discussão sobre ética, precisa-se existir uma “utopia” para fazer analogias, criticando assim um sistema vigente opressor.

 As ideologias são fundamentais com o intuito de transformação social. Se elas não existirem, tudo ficará imutável. O lugar ilusório serve como um paradigma de como seria um mundo mais justo, onde não há tantas injustiças sociais ou desigualdades. 

Portanto, todos nós devemos lutar para se aproximar aos bons valores com a intenção de construir uma sociedade melhor.

“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.” Eduardo Galeano

Enfim, Utopia precisa existir em nossas mentes para a gente questionar o que acontece ao redor. Sem ela, todos nós nos tornaremos autômatos.

 No filme infantil, a moral da história é que independente da natureza dos animais, eles podem lutar por seus sonhos e objetivos. Nada é imutável pelo determinismo biológico. Como, por exemplo, os protagonistas do desenho animado. Uma coelhinha que mesmo frágil e pequena consegue ser grandiosa com sua coragem e “um raposo”, o qual não sendo muito confiável pelos outros, pode mudar sua história e mostrar não ser traiçoeiro. Além, de ser confiável e um bom amigo. 

O desenho não se refere aos bichos em si, mas, ao ser humano e que sempre se deve fazer a diferença para tornar o mundo melhor. Assim, como toda fábula que se preze, utiliza-se de personagens animais que agem como seres humanos, ilustrando um preceito moral.

Além, de expor a questão de respeitar as diferenças, uma questão bastante importante hoje em dia.